Na trama, a prostituta Stefânia, interpretada pela atriz Carol Duarte, ficou “curada” de gagueira depois de quase ser estrangulada por Sampaio, vivido por Marcello Novaes . Foto: globo (reprodução TV Globo)

Uma cena da nova novela da rede Globo, O Sétimo Guardião, provocou revolta entre os profissionais da fonoaudiologia. Na trama, a prostituta Stefânia, interpretada pela atriz Carol Duarte, ficou “curada” de gagueira depois de quase ser estrangulada por Sampaio, vivido por Marcello Novaes.
De acordo com o capítulo exibido no último sábado, 24, o susto teria resolvido o problema de fala da personagem o que, segundo especialistas, é impossível de acontecer. Além disso, a cena pode induzir a população a pensar que a violência seria uma forma de resolver este tipo de distúrbio. Durante a cena, Stefânia irritou Sampaio ao tentar seduzí-lo mais uma vez, por ordem de Ondina (Ana Beatriz Nogueira), com o objetivo de verificar se ele tem a marca do sétimo guardião (uma pata de gato). Furioso com a atitude da moça, Sampaio partiu pra cima da jovem, obrigando-a a revelar o que ela procurava em suas costas.

Em reação à cena, o Conselho Federal de Fonoaudiologia publicou em sua página do Facebook, uma nota de repúdio. “Apesar de sabermos que a obra é ficcional, a cena veiculada é bastante equivocada e desrespeita, de maneira irresponsável, os sujeitos que apresentam gagueira”, diz um trecho da postagem, que já tem mais de 5 mil compartilhamentos.

Ainda conforme a publicação, o órgão destaca que gagueira é considerada pela ciência como distúrbio ou transtorno de fluência da fala, que afeta pessoas, independentemente de raça, nível sociocultural e grau de escolaridade. Atualmente, cerca de 5% da população brasileira, ou seja, cerca de 10 milhões de brasileiros sofrem com o problema.

“Usualmente, pessoas que gaguejam apresentam dificuldade em suas relações sociais, comprometendo seu desempenho escolar e/ou profissional. A gagueira tem tratamento e se feito de forma competente apresenta resultados extremamente promissores, minimizando danos emocionais e sociais. Nesse sentido, afirmamos: não se cura gagueira com susto ou violência e muito menos com agressão”, acrescenta a nota.

Até o fechamento desta edição, a Rede Globo não se posicionou oficialmente sobre a polêmica que envolve a novela.

Conheça mais sobre a doença
Atualmente, os exames para identificar a gagueira são inconclusivos, pois as alterações estruturais presentes no cérebro do adulto gago criam um dilema: elas que causam a gagueira ou são causadas por ela? O que se sabe é que existe sim uma lesão no cérebro em algum grau e que a gagueira acomete quatro vezes mais meninos do que meninas.
O meio social também pode comprometer ainda mais o desenvolvimento harmonioso da fala, aumentando o estresse comunicacional. Pais que não tem tempo para conversar e ouvir o filho, escolas altamente exigentes que desafiam a dificuldade da criança ao exporem seguidamente sua dificuldade em exercícios orais e o bullying direto que o gago sofre contribuem de forma negativa para o avanço do tratamento.
Além disso, existem graus variados de gagueira, desde as mais moderadas, que reagem bem ao tratamento, até do tipo os mais severos, que não respondem a tratamentos e não diminuem em nenhuma situação.
Nesse sentindo, é preciso encontrar o melhor tratamento para cada caso.

Deixe seu comentário