A Páscoa está praticamente aí, e um dos símbolos da data, o chocolate, já invadiu as prateleiras dos supermercados. Há sempre opiniões divididas, de quem defenda e quem condene o doce.
Mas fato é que a melhor opção para consumi-lo é em composições com mais cacau. Além de ter menos açucares, os chocolates com mais cacau aumentam a ação antioxidante no organismo. Os alimentos antioxidantes são capazes de neutralizar os chamados radicais livres do organismo, que causam envelhecimento precoce das células, gerados naturalmente e aumentados com estresse e sol. Confira mais informações sobre esse doce para comer com saúde!

Chocolate ao leite é aquele que contém ao menos 27% de cacau e outros ingredientes, além de 14% de leite e derivados.

Chocolate amargo ou meio amargo precisa ter pelo menos 35% de cacau, sendo que 18% ou mais devem ser de matéria gorda de cacau (vindo da manteiga e da massa de cacau) e 14% de cacau puro.

Chocolate em pó é uma mistura de açúcar ou adoçante com, no mínimo, 32% de partículas sólidas de cacau

Chocolate branco – obtido pela mistura de manteiga de cacau com outros ingredientes –, a manteiga de cacau representa 20% da composição (o mesmo já fixado pela Anvisa) e o leite e seus derivados, 14%.

O consumo regular de chocolate amargo ajuda a reduzir o colesterol “ruim” no sangue, a pressão arterial e, portanto, reduz notavelmente o risco de chegar a ter algum tipo de doença no coração.

Flavonols é uma classe principal de flavonoides (antioxidantes) que estão presentes no chocolate amargo. Pesquisas mostram que os flavonols têm um efeito muito positivo sobre a saúde do coração, ajudando a baixar a pressão arterial e melhorar o fluxo sanguíneo para o coração, bem como o cérebro.

O chocolate contém muita fibra. Isso o torna um alimento que provoca uma grande saciedade, o que reduz os desejos de consumir outros alimentos que podem provocar o aumento de peso.

O chocolate amargo ajuda a prevenir o câncer.

Deixe seu comentário