BCG, pentavalente, pediatra, vacinação, vacinas, criança, imunização
A carteira de vacinação é um documento da criança. fotos: banco de imagens

Após nove meses de muita ansiedade, enfim, chega a hora do parto. Muita emoção, fotos, mimos dos avós, visitas e familiares…e…no meio disso tudo os pais do recém-nascido recebem algo muito importante: a carteirinha de vacinação. Esse documento deverá acompanhar a criança durante toda a infância, sendo guardado pelos responsáveis com bastante cuidado. A própria maternidade já aplica as primeiras doses de imunização ou informa aos pais sobre como proceder nas unidades básicas de saúde.

Carmem Pereira, pediatra, vacinação, vacinas, criança, imunização
Carmem Pereira, pediatra

Todo bebê recebe, ao nascer, a sua caderneta de vacinação. O documento foi criado pelo Ministério da Saúde para registrar as imunizações que a criança tomou e as que ela ainda precisa receber, considerando que a proteção para algumas doenças depende da sequência de várias doses no período correto. A pediatra Carmem Pereira defende que os pais tenham muito zelo pela carteirinha. “Vacina é sempre para o bem, sempre para proteger a criança ao longo da sua vida. Os pais têm de ver a carteirinha como um documento dos filhos”, destaca. É através dela que os pais se organizam para que nenhuma dose fique falhada. “O esquema de vacinação é extenso até os quatro anos, e sobretudo nos primeiros 12 meses de vida. Se os pais receberem uma lista com todas as informações logo no início, acabam se perdendo. Então, na maternidade, oferecem a orientação das primeiras imunizações e depois, sempre que a criança recebe uma dose os profissionais do posto orientam para as próximas”, diz Carmem.

A pediatra lembra, ainda, que a carteirinha traz informações importantes para quem acompanha a saúde do menor. “Ali há todo o histórico da criança. Olhando a carteirinha da criança que chega ao consultório eu tenho a evolução de peso, altura. E aos pais há diversas informações que devem ser lidas”, destaca a médica, lembrando que o documento pode ter diferenças de acordo com o estado, mas, que o básico é igual, conforme orientado pelo Ministério da saúde. Ela cita também a carteirinha dos adolescentes, que é pouco conhecida e não tem distribuição geral, mas que também é importante por trazer informações dessa fase da vida.

Houve falta de vacinas BCG e pentavalente nas salas do município

Falta de vacinas preocupa
Mesmo com a conhecida importância das vacinas, em alguns casos os cuidados dos pais não bastam, já que eles levam as crianças aos postos e são informados da falta de doses. Isso ocorreu em Montenegro e em outras cidades pelo Brasil em 2017 e no início de 2018, quando houve falta de doses da BCG e da pentavalente. Segundo a enfermeira Nicole Ternes, responsável pelo setor de vacinação da Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Montenegro a situação já foi regularizada.

“As duas imunizações já estão em estoque nas salas de vacina do município”, garante Nicole. A vacina BCG, porém, permanece em regime de agendamento, não pela falta no momento, mas a fim de otimizar o uso, evitando desperdícios e uma nova falta deste imunobiológico, que está vindo ao país por meio de importação. “O frasco da BCG é no formato multidoses e, seis horas após a abertura, as doses que não forem utilizadas são desprezadas. Estamos agendando todas as semanas e no momento temos seis crianças na lista aguardando. Quando fechar 10, entro em contato com a família e faço o agendamento, com data e local”, Nicole explica o procedimento. Já a vacina pentavalente retornou às salas de imunização no dia 23 de março. Como ela vem em frasco de dose única, não é necessário fazer o agendamento.

No caso da BCG, o problema originário da falta de doses estava no laboratório produtor no Brasil, que não vinha conseguindo suprir a necessidade de doses no país. Por isso, atualmente ocorre importação. Já a falta da pentavalente estava ocorrendo por dificuldades na central de distribuição do Estado.

A pediatra Carmem Pereira confirma que em 2017 os pais tiveram grande preocupação com a falta de doses, tanto na rede pública, quanto privada. “Não tinha o que fazer porque não tinha vacina”, diz ela. Carmem lembra que, apesar de preocupante, a falta da vacina pode ser contornada por um período. Mas os pais devem acompanhar esse problema de perto. “Existe um prazo considerado seguro para as crianças tomarem a vacina. Não é tão exato, há uma margem. Não há razão para pânico, portanto, mas, os pais devem acompanhar, procurar saber se vai demorar o agendamento e jamais esquecer do assunto”, enfatiza a médica.

A vacina BCG protege contra a tuberculose miliar, uma das formas mais graves da doença, capaz de afetar vários órgãos. Também imuniza contra a meningite tuberculosa. Já a pentavalente imuniza contra difteria, tétano, coqueluche, meningite por Haemophilus influenzae tipo b e poliomielite.

Calendário de vacinas recomendadas pela Sociedade Brasileira de Pediatria

BCG ID1 – ao nascer
Hepatite B – ao nascer e reforços aos 2, 4 e 6 meses
DTP/DTPa – 2,4,6 e 15 meses. Depois, aos 4 e 6 anos
dT/dTpa – Aos 14 anos
Hib – 2,4,6 e 15 meses
VIP/VOP – 2,4,6 e 15 meses. Depois, aos 4 e 6 anos
Pneumocócica conjugada – 2,4,6 e 12 meses
Meningocócica C e A,C,W,Y conjugadas- 3,5,7 e 12 meses. Depois, aos 4,6 e 11 anos
Meningocócica B recombinante – 3,5,7 e 12 meses
Rotavirus – 2,4 e 6 meses
Influenza – 6 e 7 meses
SCR/Varicela/SCRV – 12 e 15 meses

Hepatite A – 12 e 18 meses

Febre amarela – A partir dos 9 meses de idade

HPV – Meninos e Meninas a partir dos 9 anos de idade

Dengue – Para crianças e adolescentes a partir de 9 anos de idade

Deixe seu comentário