Castanha está entre os alimentos mais procurados. FOTO: Arquivo/JORNAL IBIÁ

Nos últimos anos, a economia brasileira apresentou números ruins. Empregos foram perdidos e a renda das famílias caiu consideravelmente. Como resultado, houve menor consumo de produtos e serviços, afinal, as famílias compreenderam que era necessário reduzir o consumo para fechar as contas.

Mas houve um setor em que isso não ocorreu: o de produtos fitness. A busca por saúde manteve aquecido esse setor da economia. O ano de 2017 foi mais um em que os itens de alimentação natural/saudável cresceram nas vendas, demonstrando uma mudança nos hábitos de consumo e estimulando empresas a trabalhar diretamente com esse público.

O ranking de consumo da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) 2017, apontou o avanço nas vendas dos orgânicos, que já abrangem 1,41% do total de itens comercializados pelo setor. Parece pouco, mas, se considerada a quantidade de itens ofertados em um supermercado – em média 14.077 – representa bastante e cresce ano a ano. Em 2016, os orgânicos respondiam por 1,31%. “O consumidor está cada vez mais preocupado com sua saúde. Nas verduras, a participação de orgânicos chega a 8%”, destaca Antônio Cesa Longo, presidente da Agas.

O ranking da Agas apontou aumento da presença de produtos orgânicos nos supermercados gaúchos. A cada ano, há maior demanda nesse segmento. Crédito: Arquivo/JORNAL IBIÁ

Já os números referentes a aumento ou queda nas vendas de produtos específicos mostraram preferência por alimentos de consumo rápido, sendo a praticidade um dos quesitos mais valorizados. Nesse quesito, as marcas também têm investido em linhas “fitness” como mix de cereais já embalados, barras de cereais (mais ou menos saudáveis, conforme a marca), biscoitos integrais e refeições congeladas menos industrializadas.

Essa tendência mundial de busca pela alimentação saudável, registrada no Brasil e aferida pela pesquisa da Agas no Estado pode ser vista pelas ruas de Montenegro. Cresce o número de estabelecimentos que vendem produtos naturais e, nas grandes redes de supermercados, as gôndolas destinadas a esse público também ganham espaço.

Público vai muito além da dieta
Quem nunca levou para casa um rancho de produtos considerados saudáveis em plena segunda-feira para começar uma dieta e, alguns dias depois, percebeu que os mesmos seguiam na dispensa ou geladeira, sem consumo? Aí está a diferença entre fazer uma dieta e mudar hábitos. O consumidor que busca por alimentos integrais, hortaliças e vegetais orgânicos ou mantimentos mais específicos – sem glúten ou lactose, por exemplo – se divide nesses dois públicos. Um mais esporádico, o das dietas. E outro bem mais fiel, aquele que pensa na saúde e cuida dela ao longo do tempo. Esse segundo perfil tem crescido.

Casa dos Cereais, consumo, mercados, orgânicos, alimentos, consumo saudável
Érica Eduarda Pilger, funcionária da Casa dos Cereais
Crédito: Arquivo

Érica Eduarda Pilger, funcionária da Casa dos Cereais há cinco anos, percebe essa mudança de perfil do consumidor, que hoje valoriza o produto que irá ajudá-lo a se manter saudável. “Atendemos esses dois perfis, de quem vem ocasionalmente e quem frequenta a loja sempre. Mas hoje nós percebemos uma abertura maior da clientela. Afinal, se fala mais do lado ruim de consumir industrializados, farinhas refinadas e produtos com muitos conservantes”, destaca ela, que cita chia, aveia e castanha como os produtos mais procurados.

Ela cita também o cuidado que a loja tem com a origem do produto que está comercializando. “Temos preocupação em saber a origem do nosso produto, qualidade, como ele foi armazenado. E, se tiver algum problema, sempre sugerimos que o cliente retorne para providenciarmos uma troca”, destaca.

Sete Grãos, consumo, mercados, orgânicos, alimentos, consumo saudável
Mateus Nogueira Kirst, proprietário da Sete Grãos
Crédito: Arquivo

Mas qual o perfil desse cliente? Segundo Mateus Nogueira Kirst, proprietário da loja Sete Grãos, é um público muito amplo. O estabelecimento é relativamente novo – tem pouco mais de um ano e meio – surgiu já num momento de aquecimento desse mercado. “É um público bastante geral, vai de jovens até idosos. Sendo que há uma clientela fixa, mas, também, aquele que vem conhecer, muitas vezes por indicação”, diz Mateus.

Entre os produtos mais procurados, ele destaca variados tipos de grãos, sementes e farinhas diferenciadas, para quem deseja elaborar receitas em casa.

Deixe seu comentário