Foto: Reprodução da Internet

Tempo de uso, manutenção e o seguro são alguns pontos a serem avaliados

Concessionárias costumam aproveitar a virada de ano para lançar seus novos modelos e trazer novidades tentadoras. É comum que as pessoas façam a troca de automóvel e, se esse foi comprado “zero bala”, na concessionária, demanda uma análise mais profunda em detalhes que definam o momento exato para a compra de outro. Especialistas no assunto dizem que o custo de manutenção é um dos principais fatores a ser levado em conta. Caso o gasto anual na oficina supere 10% do valor de tabela do carro, há prejuízo. As revisões periódicas também são parâmetros e se estiverem muito caras, indicam ser possível mudar o automóvel.

A desvalorização influencia nas negociações e decisões dos proprietários. Quem entende do ramo, aponta que o preço de um carro cai, em média, de 10% a 15% no primeiro ano de rua. Em dois anos, a desvalorização é de 10%. Após o terceiro ano da fabricação, a queda diminui e estabiliza. Portanto, vender seu carro nos primeiros dois anos pode ser ruim no quesito finanças.

Agora, quem pretende comprar, o ideal é que seja um automóvel que esteja rodando até no máximo três anos. Donos que compraram carros zero quilômetro geralmente vendem seus veículos nesse período, pois querem estar com versões atualizadas do modelo. Conforme for a atualização e inovações do carro, o valor da edição anterior pode variar.

Na lista do que influencia na hora da troca deve entrar no preço do seguro. O valor muda de acordo com a categoria, modelo, marca e outros fatores. Comparar quanto se paga para o veículo atual ou pagará ao desejado, será uma alternativa a ser estudada. Se a pessoa ainda for financiar, deverá abrir o olho quanto aos juros, tempo de financiamento, valor total das parcelas e quanto o carro realmente custará.

Deixe seu comentário