Cuidar do carro significa dar importância à sua segurança. Foto: internet/poddsocks.com

Planos de cobertura servem para evitar maiores custos aos condutores, seja por acidentes ou roubo de veículos

Ter um carro próprio é o sonho de muitos brasileiros. O automóvel facilita viagens e ainda proporciona o conforto de enfrentar o trânsito diariamente. Porém, ao comprar um veículo, todo cuidado é pouco, considerando todas as cautelas que ele demanda. Por isso, ter um seguro é extremament

Onix, da Chevrolet, foi o carro mais vendido no país em 2018. Foto: Divulgação Chevrolet Brasil

e importante.

Hoje em dia, o seguro é uma necessidade para a manutenção do carro, pois além de problemas técnicos existem fatores externos que podem exigir um plano de cobertura para proteger o motorista.

Situações como roubos e furtos, acidentes, imprevistos (como esquecer a chave dentro do carro), e até mesmo estragos causados por fenômenos da natureza seriam resolvidos com a existência de um seguro. É importante lembrar que os valores de cada plano mudam de acordo com o perfil do condutor, da região onde o motorista vive e o modelo do veículo. Dessa maneira, os preços equivalem os riscos que cada um corre.

Escolhendo o seguro certo para o veículo
Fazer um seguro já não é algo tão burocrático, já que com plataformas online as seguradoras estão cada vez mais acessíveis. Porém, há muito a se considerar na hora de decidir qual o plano a ser adquirido, pois é importante selecionar uma proposta que beneficie o proprietário do veículo.

– Seguro Compreensivo
Protege o veículo contra incêndio, roubo, furto, colisões e várias outras coisas, com indenização parcial ou total. Além dessas garantias, geralmente inclui proteção contra terceiros, coberturas de vidros, assistência e mais. É uma solução mais completa, mas costuma pedir um investimento mais alto que as demais opções.

– Seguro contra roubo e furto
Algumas seguradoras oferecem essa modalidade junto com a instalação de um rastreador e agregando mais algumas coberturas como perda total por colisão, por exemplo. É importante notar, porém, que a indenização só é paga caso o veículo não seja encontrado ou, caso encontrado, tenha prejuízo equivalente ou superior a 75% do valor total do automóvel. Por exemplo, se o carro for encontrado sem os pneus ou sem uma porta, o conserto sai do bolso do motorista. Esse plano costuma ser mais barato, mas oferece uma proteção menor.

– Seguro para terceiros
Esse tipo de seguro difere um pouco dos demais, pois o foco da cobertura não é exatamente reparar danos ao veículo do segurado, e sim cobrir danos materiais, corporais e morais causados a terceiros. Encaixam-se como terceiros nesse caso motoristas, pedestres, patrimônio alheio, carros, muros, postes etc. Essa cobertura geralmente está incluída no seguro compreensivo e faz uma boa diferença na desventura de um acidente, pois se não, o prejuízo do terceiro sairia do bolso do condutor.

– Seguro de acidentes de passageiros
O plano de acidentes de passageiros, assim como o seguro para terceiros, foca em outras pessoas. Nesse caso, serve para proteger outros viajantes no carro. Geralmente, essa cobertura inclui indenizações no caso de morte acidental e invalidez permanente de passageiros. Esse plano é extremamente importante para quem usa o veículo para locomoção de pessoas, como motoristas de táxi e de aplicativos de transporte.

– Seguro DPVAT
Conhecido também como seguro obrigatório, o DPVAT é um tipo de seguro diferente, administrado pelo estado e que beneficia vítimas de acidentes de trânsito. O pagamento desse seguro é anual, e geralmente acontece com o licenciamento e o IPVA.

Deixe seu comentário