Clientes buscam reposição de peças externas e componentes de personalização

Autopeças. Setor mantém resultados com qualidade e graças a paixão do brasileiro

Mesmo com a crise é preciso seguir rodando. Essa máxima é confirmada pelo setor de autopeças, que entre janeiro a julho somou alta de 6,6% nas vendas ao mercado de reposição (em comparação aos mesmos meses de 2018). A participação média da pós-venda no faturamento geral deste mercado em 2019 foi de 13,5%; enquanto a fatia das exportações foi de 17%. Já a parcela voltada às montadoras é de 65,4%. Os 4,1% restantes foram vendas intra-setoriais, aquelas entre os fabricantes do setor de autopeças.

Este cenário compõe uma contabilidade na qual o faturamento do setor registra alta de 9,3% no acumulado dos sete meses. O resultado total foi prejudicado apenas nas exportações. Embora a venda às montadoras de veículos tenha crescido 12,5% no período, os ganhos com o mercado externo anotaram queda em Real (-3,3%) e em Dólar (-12,2%). Os números foram divulgados pelo Sindipeças, entidade que reúne fabricantes do setor.

Este momento tranquilo é confirmado pelo montenegrino Luiz Beneton, proprietário da Beneton Centro Automotivo. Ele aponta que o setor está passando por um grande processo onde se manter num patamar com qualidade e credibilidade já é uma vitória. Isso significa acompanhar as mudanças que este comércio sofre, evolução que a Benetton tem seguido ao longo de seus mais de 20 anos no ramo de autopeças.

Pós-vendas é 13% do faturamento do setor em 2019

A clientela do setor é composta por dois seguimentos: donos de carros e mecânicos. Luiz observa que o período é caracterizado por um fluxo de negócios que se mantém intenso com ambos. “Com um aumento significativo em relação ao público feminino, que vem quebrando muitas barreiras no mercado que, até então, era frequentado só por homens”, acrescenta o comerciante.

Investimento no custo/benefício do veículo
E, apesar deste cenário em constante alteração, Luiz acredita que a manutenção do foco no serviço qualificado é a melhor explicação para esta reação em meio à crise. E um dos elementos que justifica é justamente o brasileiro e sua paixão pelos carros. Luiz tem confirmado um amadurecimento dos consumidores, que hoje enfatizam a troca de peças para que seu veículo continue oferecendo custo/benefício.
As vendas de balcão são variadas, como é diversificado o ramo de autopeças. “Em nossa loja trabalhamos com uma grande linha de acessórios e peças. A venda é variada em ambas as linhas, pois todo mundo gosta de deixar o carro com o seu jeito e em perfeito funcionamento”, afirma, referindo-se a reposição de itens externos avariados (calotas, espelhos) e a itens de personalização e de sonorização.

Deixe seu comentário