Comauto tem consórcio do Gol 1.0 Trandline 4 portas em crédito de R$ 38.950 e parcelas mensais de R$ 610,37. Foto: Site Comauto

O crescimento nas adesões e contemplações dos consórcios de veículos leves pode contribuir com o impulso do mercado automotivo neste ano. Nos cinco primeiros meses de 2018, mais de 235,3 mil pessoas foram contempladas e tiveram a oportunidade de utilizar R$ 9,6 bilhões em crédito para comprar um veículo leve (automóveis, camionetas ou utilitários).

Os dados são da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac). Esse número é 7,3% superior ao registrado em igual período de 2017, quando 219,5 mil pessoas contempladas nessa categoria se valeram de R$ 8,95 bilhões para a aquisição de veículos dessa categoria.

“Como o consumidor tem adotado a medida de planejar com antecedência a compra de um veículo, o consórcio tem se mostrado uma ótima solução”, destaca Rogério Pereira, diretor Comercial da Embracon, administradora de consórcios há 29 anos no mercado. Ele observa que prova desta prudência é que o número de adesões está em crescimento.

Além disso, o crédito disponibilizado no mercado tem constituído um fator importante para a cadeia produtiva do segmento automobilístico. Ela é beneficiada com a venda de veículos nos meses subsequentes, no caso do consorciado se valer da carta de crédito para concretizar a compra.

Aos poucos essa tendência vai sendo adotada pelos consumidores montenegrinos, como confirma a supervisora de consórcios da Comauto Volkswagen, Madalena Lopes Bueno. Ela observa que, apesar de ainda não ser a primeira, essa modalidade vem crescendo na loja. Em geral, os compradores têm preferido a venda de salão, utilizando o financiamento ou pagamento à vista.

Mercado sente o efeito dos consórcios
Os reflexos da contribuição dos consórcios para as vendas de veículos podem ser observados nos dados do mercado. Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), os licenciamentos de Veículos Leves registraram aumento de 13,7% e passaram de 993,1 mil no primeiro semestre de 2017 para 1,1 milhão no mesmo período de 2018.

Os resultados da Federação Nacional de Distribuição de Veículos (Fenabrave), que representa os concessionários, confirmam a tendência. Ela aponta 1,1 milhão de carros emplacados no primeiro semestre de 2018, número 13,7% superior aos 991,3 mil emplacados no primeiro semestre de 2017.

Leves lideram em dois cenários
O segmento Veículos Leves já representa 51% do total de consórcios assinados no Brasil. E, ainda segundo a Associação, na média nacional, cerca de 31% dos leves vendidos no país é por meio de consórcio. Isso significa que um a cada três adquiridos são por meio desse sistema de compra. O índice é quatro vezes o observado em 2009, quando apenas 7,8% dos carros eram adquiridos por consórcio.

Até maio deste ano, esse segmento registrou 3,57 milhões de participantes ativos, o que significa 4,1% a mais do que os 3,43 milhões até maio de 2017. Outro ponto é que as adesões aumentam mês a mês. Mais de 467 mil novas cotas de consórcio de Veículos Leves foram comercializadas entre janeiro e maio deste ano; superando as 430,6 mil novas cotas registradas em igual período do ano passado.

Pense no valor de seu dinheiro
Essa postura tem muito a ver com a impaciência do brasileiro, que quer sair imediatamente dirigindo seu zero quilômetro. Madalena recorda que apenas no Brasil o sistema de longo prazo é preterido ao financiamento. “Em outros países o consórcio é a principal forma de venda. Nos Estados Unidos ninguém entra em uma loja e sai de carro”, ilustra.

A supervisora aconselha que no momento da escolha é preciso avaliar o quanto custa para ganhar o dinheiro. Isso por que o consórcio tem taxa de administração (juros) de 2% ao ano; enquanto o mercado de financiamentos aplica taxas de 1,08 a mais de 2% ao mês. Enquanto na primeira opção, ao final do plano, o cliente pagou cerca de R$ 3 mil a mais no preço à vista do carro; na segunda acaba por pagar quase dois automóveis.

“O consórcio é uma ótima forma de compra e que cresce cada vez mais”, defendeu Madalena. Por mês, a Comauto Montenegro comercializa em torno de R$ 500 mil em cartas de consórcio. Em um negócio que termina sendo rentável para quem vende e para quem compra.

Vantagens do Sistema de Consórcios
-flexibilidade e possibilidade de crédito acessível, sem incidência dos juros praticados pelos bancos;
-sistema conta com várias opções de crédito, prazos e parcelas ideais ao cliente;
-para participar não é necessário avalista e nem comprovação de renda;
-a carta de crédito dá ao consorciado o poder de negociar a aquisição do bem à vista, o que lhe confere mais poder na compra;
-após a contemplação, a carta de crédito pode ser utilizada para quitar um financiamento ou consórcio de outra administradora em nome do próprio consorciado;
-o consorciado pode utilizar o carro usado como lance na compra de um novo;
– o sistema de consórcio conta com legislação específica e a administradora deve ser autorizada e fiscalizada pelo Banco Central, o que traz mais segurança ao consumidor.

Deixe seu comentário