FOTO Chevrolet/Divulgação

O segmento de picapes médias no Brasil acaba de ganhar um lançamento, principalmente para quem prefere veículos movidos a gasolina/etanol em vez de óleo diesel. A Chevrolet anunciou ontem a versão da S10 flex com câmbio automático de seis marchas. Até então, a empresa produzia o modelo bicombustível apenas com caixa manual. Os preços variam de R$ 107.990,00 a R$ 129.990,00, conforme a versão e a tração.

Conforme a GM, a novidade se destaca “pelo perfeito casamento entre o moderno motor 2.5 CIDI e a transmissão de seis velocidades com sistema Clutch to Clutch, que permite trocas rápidas e suaves”. O comportamento das marchas fica bem parecido com sistemas de dupla embreagem pela sua velocidade de resposta.

A potência do motor chega a 206 cv e engana-se quem pensa que a automática consome mais combustível que a manual. O gasto energético, diz o fabricante, é similar em ambas as versões. Tanto que o lançamento conquistou nota máxima em eficiência nos testes do Inmetro.

Inovação é uma característica marcante da picape, que lidera as evoluções tecnológicas do seu segmento. Foi a primeira, por exemplo, a adotar motor bicombustível, ainda em 2007. Também foi pioneira a adotar injeção direta de combustível e continua a ser a única a oferecer sistemas de conectividade total. Destaque também para a dirigibilidade e inúmeros equipamentos de segurança e comodidade.

“A S10 Flex automática agrega praticidade para aquele consumidor que busca uma picape 4×2 ou 4×4 altamente robusta e tecnológica, porém mais acessível que a versão a diesel”, justifica Hermann Mahnke, diretor de Marketing da GM Mercosul. Segundo ele, a S10 Flex detém mais de 50% de participação de mercado entre as picapes movidas a gasolina/etanol e soma 200 mil unidades emplacadas em dez anos de existência.

Picape já adota o novo padrão global de identificação do nome do veículo e da versão pela carroceria

Nota A em consumo de combustível
A S10 Flex automática chega às concessionárias da marca com um importante diferencial competitivo: o consumo de combustível semelhante ao do modelo manual. Todo esse desenvolvimento de engenharia foi realizado no Brasil. “A procura por picapes parrudas com transmissão automática é crescente.

Mas, além de conforto, o consumidor busca eficiência energética. Essa equação se torna mais desafiadora em motores de elevada potência e torque. A S10 Flex automática consegue unir todas essas virtudes”, conta Mathias Reinartz, diretor de Global Propulsion Systems da GM América do Sul.

Nota máxima na classificação do Inmetro, a nova configuração 4×2 da picape Chevrolet é capaz de rodar com gasolina 9,4 km/l na estrada e 7,9 km/l na cidade. Com etanol, os resultados são 6,4 km/l e 5,3 km/l, respectivamente. Isso representa uma vantagem de até 1,3 km/l em relação ao principal rival.

Mesmo com o câmbio automático, o consumo se assemelha ao da versão com marchas manuais

De acordo com dados da montadora, o novo modelo da picape acelera de 0 a 100 km/h em 9,5 segundos. O “segredo” está na união entre o motor 2.5 com injeção direta de combustível e a transmissão automática de seis velocidades com tecnologia Clutch to Clutch.

A Chevrolet relata ter feito “um extenso trabalho de calibração tanto no propulsor quanto na transmissão, otimizando o funcionamento do conjunto”. A transmissão automática usa o mesmo hardware da configuração a diesel, porém com programação específica do módulo de controle da transmissão, que, no caso da S10, fica embutido, proporcionando maior robustez por evitar que componentes fiquem expostos à sujidade e impactos. Também houve alongamento da relação do diferencial sem comprometimento da performance. Isso contribui para melhora no consumo e para redução das rotações do motor, resultando em melhor conforto acústico e menor nível de desgaste de componentes.

O motorista nota que a S10 Flex automática responde prontamente ao acelerador, que dosa os até 27,3 kgfm de torque (a 4.400 rpm) e os 206 cavalos de potência (a 6.000 rpm) do motor.

Duas configurações: LT e LTZ
A transmissão automática na S10 Flex está disponível inicialmente apenas nas configurações LT (intermediária) e LTZ (luxo), que traz, entre outros itens de conforto e segurança, direção elétrica progressiva inteligente, alerta de colisão frontal, alerta de saída de faixa, assistente de rampa, controle eletrônico de estabilidade e tração, faróis e lanternas com LED, banco do motorista com ajustes elétricos, telemática avançada OnStar Exclusive e multimídia MyLink.

A possibilidade de partida remota do motor pela chave é novidade — uma herança dos modelos a diesel mais sofisticados. A tecnologia permite que a cabine seja climatizada antes dos ocupantes embarcarem nela, por exemplo.

Outra mudança que estreia com a linha Flex 2018 é o padrão global de identificação do nome do veículo e da versão pela carroceria. O logotipo “S10” aparece agora tanto na parte inferior das portas dianteiras quanto na esquerda da tampa da caçamba. No lado direito fica a identificação da versão.

O Número
Com gasolina no tanque, a S10 Flex automática faz 9,4 km/l na estrada e 7,9 km/l na cidade. Com etanol, os resultados caem para 6,4 km/l e 5,3 km/l, respectivamente. “Isso representa uma vantagem de até 1,3 km/l em relação ao principal rival”, afirma a GM.

Deixe seu comentário