Fusca 86 que está no museu VW saiu direto da última linha de produção, e nunca rodou. Fotos: Museu da Volkswagen

Clássico. Pequeno, simplório e desconfortável, mas uma lenda

O 20 de janeiro (última quarta-feira) é considerado o Dia Nacional do Fusca. Passados quase 25 anos do encerramento da “segunda fase” de sua produção no Brasil, o modelo da Volkswagen ainda desperta saudosismo nos aficionados por carros. Apesar de sua origem no berço de tiranos, durante a Segunda Guerra Mundial, impressionantemente este ‘besouro’ acabou sendo perdoado, tornando-se um queridinho, e até símbolo da contracultura dos anos 70.

Talvez uma boa explicação para a relação de amor que criou com os brasileiros está na sua chegada, já no pós-guerra. O modelo abriu as operações da Volkswagen no Brasil, em 1953, montado em um galpão no bairro do Ipiranga, em São Paulo, com peças que eram trazidas da Alemanha. E foi no dia 20 de janeiro de 1959, que começou a ser fabricado inteiramente no país, já na unidade de Anchieta da montadora, até 1986.

O conversível foi adaptado especialmente
para o evento de retomada da produção, em 93

Durante todo esse período, no qual ‘inundou’ as ruas brasileiras com suas formas arredondadas, o então Volkswagen Sedan foi sempre equipado com diferentes versões do motor quatro-cilindros refrigerado. E ainda se manteve fiel ao câmbio manual de quatro marchas e à tração traseira.

A primeira reconfiguração, em 1967, foi a passagem do motor 1.200 cm³ para um de 1.300 cm³, e com 45 cavalos (cv) brutos. Em seguida, ganhou a versão de 1.500 cm³, introduzida em 1970, com 52 cv brutos. Entre as diversas versões que se seguiram, aquela de 1979 foi muito marcante, com suas lanternas traseiras grandes e arredondadas, apelidadas de “Fafá”.

Do original Volkswagen Sedan, o nome foi oficialmente substituído por Fusca em 1983. Em 1984, o modelo ganhou freios a disco na dianteira e passou a ser produzido apenas na versão 1.600, que no ano seguinte ganhou opção do motor a Etanol. Sua produção foi retomada em 1993 e durou até 1996.
Prova de que virou uma lenda, é o fato de ainda estar entre os clássicos mais negociados no Brasil. Segundo revelou nesta semana o site de compra e venda entre pessoas na internet OLX, em 2020 o Fusca manteve a liderança de 25% das buscas na plataforma.

Você sabia
O primeiro modelo fabricado pela Volkswagen tornou-se o carro mais vendido no mundo, ultrapassando em 1972 o recorde que pertencia ao Ford Modelo T, ou Ford Bigode. No México, ele foi produzido até 2003, ainda chamado de VW Sedan. Já em Portugal, é o “Carocha”. E, em 65 anos, foram fabricados 21.529.464 Fuscas ao redor do mundo.

Deixe seu comentário