Nada existe de permanente a não ser a mudança, afirmou o filósofo Heráclito, antes mesmo do nascimento de Cristo. Apesar de ter sido esculpida em outros tempos, esta máxima continua, hoje, muito atual. E com a constante transformação da sociedade, também as profissões e negócios precisaram se reinventar. O Jornalismo está migrando para a era digital, as tradicionais barbearias passaram a ser Barber Shops, e até as padarias se adequaram ao novo conceito, aumentando as ofertas e integrando ambiente para refeições.

E a lista de negócios e ofícios que precisaram se adaptar aos novos tempos não para aí. Tudo para cativar o novo tipo de cliente, cujo perfil também se alterou com o passar dos anos. “Com mais acesso à informação e, consequentemente, com maiores expectativas em relação à qualidade dos produtos, serviços e atendimentos”, afirmou em entrevista o CEO da Nestlé Brasil, Juan Carlos Marroquín.

Mário explica que, hoje, ir à barbearia representa uma experiência que vai muito além do corte do cabelo

Barbearias
Versáteis, conceituais, oferecendo, além do serviço de corte, cervejas, jogo de sinuca, café e ambiente musicalizado. Essas são as barbearias atualmente.
Barbeiro há oito anos, Mário Luís de Azevedo de Vargas, 24 anos, analisa que as barbearias precisaram evoluir para que os homens, sua principal clientela, sentissem-se mais acolhidos.

“Com isso, o público masculino não vai só para cortar o cabelo em 15 minutos; vai entrar e tomar uma cerveja de qualidade, bater um papo bacana. Não vai ao estabelecimento com pressa de sair. Fica porque se sente acolhido com o ambiente”, diz.

Atuando em um espaço completamente pensado para eles, o jovem afirma que antes era preciso ir a um salão normal para cortar o cabelo. “E, com isso, você nunca se sentia à vontade. A barbearia moderna já proporciona um ambiente mais masculino, em que o cliente pode se sentir melhor. Acho que teve que dar um “up” na aparência e forma de trabalhar para não se tornar um museu”, conclui.

No Jornalismo, a corrida contra o tempo cresceu
O hard news nunca foi levado tanto em conta, no Jornalismo, como agora. Com o fenômeno da internet e da globalização, em que as informações circulam muito rapidamente, o leitor preza e solicita sempre o novo. Toda essa globalização também reinventou o modo de atuar do jornalista contemporâneo. O que antes era pensado para o papel impresso, agora também o é para o online.

Diretora do Jornal Ibiá, que completará 35 anos em março, Maria Luiza Szulczewski acredita que o cerne do Jornalismo não mudou: o da busca e apuração da notícia.

“O que modificou foi o tempo em que esse trabalho é feito. Essa foi a grande transformação. Antes havia uma semana ou um dia para produzir uma reportagem, agora são minutos”, salienta.

A diretora do Ibiá ainda destaca que, além de uma mudança no modo de conduzir a profissão, houve, principalmente, uma transformação cultural. “E apesar de todos esses avanços inacreditáveis, há o lado negativo. Com essa intensidade toda, as pessoas estão com os nervos à flor da pele, mais intolerantes e radicais”, termina.

Sinara Steigleder Nascimento e a filha Alice Nascimento Motta, da padaria Casa do Pão, estão sempre pensando em novidades para oferecer. Foto: arquivo pessoal

Padaria e a tecnologia
Alice Nascimento Motta, 27 anos, trabalha na padaria da qual sua mãe, Sinara Steigleder Nascimento, é proprietária. A Casa do Pão, consolidada há 23 anos na cidade, acompanhou algumas mudanças tanto no espaço físico como na forma de prestar seus serviços com o decorrer dos anos.
“Acredito que um aspecto muito importante nessa transformação foi o advento da internet, que veio com bastante força. Utilizo o Facebook e Instagram para fomentar o negócio e muitos clientes chegam até nós através das postagens”, afirma.

Alice também destaca que hoje o alimento está muito ligado ao prazer, e que muitos dos que procuram o estabelecimento não dispõem de tempo para realizar as refeições em casa. “As adaptações no espaço, com uma reforma há cinco anos, trouxeram melhorias nas instalações; o aumento da padaria e acréscimo das mesas e cadeiras. Todo esse processo de mudança teve a participação, via sugestões, dos clientes. Procuramos acompanhar a evolução da sociedade. Inovar é muito importante para se manter no mercado”, conclui.

Entre as propostas para o ano que vem, nova mudança de endereço, para um local mais amplo, a duas quadras da atual localização.

Deixe seu comentário