Família Kuhn enfrentou grandes dificuldades com a saúde dos meninos e ainda vive com pouco para o sustento diário

Na época de Natal é comum aparecer nos comerciais de televisão muitas histórias bonitas e comoventes, sejam elas reais ou não. Porém, neste Natal, o Ibiá conta para você uma história real, de superação das dificuldades. Tudo começou com uma cartinha deixada na porta do Jornal, no final de novembro, endereçada ao Papai Noel do Ibiá.

Em uma folha de caderno, Ezequias Kuhn, 14 anos, escreve a próprio punho como é a vida da família e os dias difíceis que enfrentaram durante 2018. Nas 30 linhas, o jovem relata que possui um problema no coração e o irmão, Geremias Kuhn, 15 anos, é deficiente mental. Por isso, são gastos cerca de R$ 700,00 em remédios ao irmão, que precisa de atenção 24h por dia.

Nestas condições, a família não tem como comprar algo para o Natal, pois dependem apenas de um benefício do governo para Geremias. Portanto, um singelo presente foi pedido. “Papai Noel, se puder nos dar um panetone e uma camiseta para mim e pro mano e alguns brinquedos usados. As camisetas podem ser usadas também, porque a gente usa. Muito obrigado”, escreve Ezequias.

Comovidos com a história, no dia 5 de dezembro a reportagem foi até a casa dos meninos, na rua Gravataí, no bairro Senai. Os irmãos e a mãe Marines Kuhn, 43 anos, moram em uma casa de madeira, simples e sem pintura. Foi uma surpresa para Marines e sua mãe Celi da Silva, 63 anos, a revelação do motivo da visita do Ibiá. Geremias também estava em casa naquela manhã.

“Eu não sabia disso, fiquei sabendo agora”, diz Marines, surpresa, com um grande sorriso no rosto. Já Ezequias, que escreveu a cartinha, estava no Colégio Estadual Ivo Bühler, onde estuda no sétimo ano. Questionado sobre o motivo dos pedidos, o jovem foi direto: “Pedi porque precisamos de camisetas agora para o verão, pois só temos roupas de inverno”.

Dificuldades enfrentadas ainda na infância
Marines Kuhn diz que enfrentou muitas dificuldades com os nascimentos dos dois filhos. Geremias foi diagnosticado com um atraso psicomotor da mente ainda criança. “Ele tinha uns dois anos e ainda não caminhava e nem falava. Eu via que ele era diferente das outras crianças e começou a caminhar e a falar com apenas cinco anos”, revela Marines.

Ezequias foi diagnosticado com desvio no eixo do coração

Por isso, Geremias precisa de cuidados e acompanhamento de alguém durante o dia inteiro, o que obriga a mãe a permanecer com o filho. O jovem também frequenta as atividades na Apae. “Tem dias que ele está mais nervoso e agitado, em outros fica mais calmo. É variável”, aponta Marines. O outro filho, Ezequias, nasceu com o desvio no eixo do coração e também precisa de observações até hoje.

“Eu me deparei com as duas crianças com problemas. A minha rotina era entrar no hospital com um dos meninos e ao sair já entrava com o outro. Quando eu ficava doente e deveria ficar hospitalizada não queria, e falava pro doutor que tinha meus filhos. Por eles eu dou a vida”, destaca a mulher.

Se existe algo que possa definir Marines é persistência e amor à família. Com o apoio da mãe Celi da Silva, a mulher conseguiu administrar todos os problemas garra. Por isso, para este Natal e no ano que se aproxima, a dona de casa deixa um recado para todas as pessoas que enfrentam

Marines gasta cerca de R$ 700,00 em remédios para o filho Geremias

dificuldades. “Nunca desistam dos sonhos e sejam persistentes, porque Deus é bom. Também é importante ter boas amizades, pois os amigos nos ajudam e nos consolam, como a minha mãe faz comigo. Tem dias que estou triste e chorando e ela e diz pra eu ficar pra cima e me animar”, pontua Marines.

Uma alegre entrega de presentes
No dia 14 de dezembro, sem que a família soubesse, foi realizada a entrega dos presentes e doações feitas pela equipe do Ibiá. A família não escondia a felicidade ao ver o porta-malas “recheado” com diversos pacotes para os irmãos Kuhn. Kit higiene, material escolar, camisetas, bermudas e chocolates foram alguns dos itens que o Papai Noel do Ibiá levou aos meninos.

Com as mãos cheias de sacolas, Marines e Ezequias foram à pequena varanda da casa abrir os presentes. Geremias e o pai Carlos Roberto Kuhn também aguardavam no local. A cada presente solicitado na cartinha que era aberto, os sorrisos da família cresciam. “Nossa, os meninos levaram um susto. Fiquei muito feliz, porque o que veio é o que mais precisávamos. Muito obrigada ao Papai Noel do Ibiá”, comemora a dona de casa.

A alegria tomou conta da humilde casa com a entrega dos presentes

Geremias se encantou com os chocolates e as meias. “Olha, são meias de futebol”, exclamava o jovem. Ezequias, responsável por escrever o pedido, classificou o momento como maravilhoso. “Veio até mais do que eu queria. Só quero dizer obrigado”, finaliza o menino.

Sonho de estudar realizado em 2018
Um dos sonhos de Marines Kuhn sempre foi continuar os estudos. “Era tudo o que eu queria na minha vida, porque sempre gostei de estudar. Quando era pequena eu passava muito tempo nos hospitais e na metade do ano, muitas vezes, eu ficava internada e o meu sonho ia por água abaixo”, revela.

Mesmo adulta, a mãe dos irmãos Geremias e Ezequias permaneceu com a vontade de frequentar a escola. “Um dia uma amiga minha disse que estava estudando na escola Delfina Dias Ferraz. Eu falei que o meu sonho era voltar a estudar. Foi então que ela me convidou para estudar no EJA (Educação de Jovens e Adultos)”, relata.

Empolgada com o assunto, Marines foi à escola para realizar a matrícula e ingressou, em 2018, no 4º ano do Ensino Fundamental. “Já estou no 6º ano agora e estou fazendo uma força para ir pra próxima etapa. Nossa, eu não acreditava que era eu sentada no primeiro dia de aula”, acrescenta a dona de casa.

Mãe e filho mais novo sentam, à noite, para realizarem os temas. “Os deveres de casa é com a gente. Eu ajudo ele quando tem dificuldade e peço apoio quando eu não sei algo sobre alguma matéria de aula”, finaliza Marines. Muitas vezes os dois vão dormir depois da meia noite para completar todos os temas de casa.

Compartilhar

Deixe seu comentário