Para a maioria das mulheres, entender sobre carros é um verdadeiro desafio. Afinal, são poucas as que sabem tudo sobre o motor, o sistema elétrico e até sobre as correias do seu veículo – se você é uma delas, parabéns!

Pensando naquelas que são leigas no assunto (como eu!), fomos fazer o “Pronto. Falei!” com os mecânicos da Sinoscar. Eles indicaram o que nós mulheres precisamos saber sobre o nosso carro.

O objetivo é garantir um veículo seguro, em bom estado e ainda aumentar o seu valor na hora da revenda. Mas isso não exclui a revisão obrigatória, ok? Estas dicas servem apenas como uma manutenção preventiva do seu veículo, para você não passar trabalho na hora de qualquer problema.

Para ninguém esquecer de nada, relacionamos os principais cuidados com o seu carro!
Pneu: As boas condições dos pneus do seu carro é quesito fundamental quando o assunto é segurança. Para fazer uma análise mais minuciosa, verifique a saliência dentro dos sulcos centrais. Elas estão indicadas pelo símbolo “triângulo” na lateral do pneu. Para fazer essa análise, é simples: quando a parte que toca o solo fica próxima dessa saliência, está na hora de trocá-lo.

Calibragem dos pneus: Uma medida preventiva para o desgaste excessivo, ou para que não se danifique as laterais dos pneus é a calibragem. Uma vez por semana, pelo menos, cheque a calibragem dos pneus.

Estepe: E falando em pneu… lembre-se sempre que checar a calibragem e as condições gerais do seu estepe, principalmente antes de viajar. Um estepe de emergência deve rodar no máximo a 80km/h e por 80 km.

Alinhamento e balanceamento: Há quem vive checando o rodízio dos pneus e a regulagem das rodas e não é à toa. A cada 5 mil km você deve fazer esse rodízio, ou até mesmo antes, caso eles apresentem desgaste irregular. Se mesmo em trajetos curtos você sentir uma trepidação nas rodas dianteiras, ou até mesmo que a direção está “pesada”, ou desviando da rota, vale a pena repetir o processo.

Óleo: A primeira troca de óleo deve ser feita depois do seu carro ter rodado 5 mil km. Para não ter dúvidas, cheque a quantidade de litros definida no manual do proprietário. Ao abastecer, é importante verificar as condições e quantidade de óleo no seu reservatório, já que, quando velho, o óleo forma uma borra que diminui a eficiência da lubrificação do motor.

Bateria: Responsável por dar partida no carro e por manter todo o sistema elétrico funcionando, ela é selada e não precisa ser reabastecida. Entretanto, o uso exagerado do som, do ar-condicionado ou até mesmo esquecer as luzes do carro acesa por muitas horas são capazes de descarregá-la e você terá que fazer uma chupeta ou até mesmo trocar o equipamento.
Limpador de para-brisa: Sabia que a vida útil da borracha de uma palheta é de apenas um ano? Depois disso, elas passam a deixar marcas no vidro e não afastam completamente sujeiras ou chuvas, o que pode ser um perigo. Portanto, examine sempre a qualidade da borracha, além do jato do esguicho de água e a pressão do braço do limpador. Segurança é tudo!

Freios: A cada 5 mil km ou uma vez por ano, é fundamental checar o estado dos freios do seu carro. Se notar um desgaste acentuado nas pastilhas, o melhor é trocá-las para não comprometer o disco de freio. E mais: é fundamental levar seu carro para revisão se você notar que o reservatório do fluído está abaixo do nível mínimo indicado. E lembre-se que alavanca do freio de mão muito alta é sinal de freio desregulado e que barulhos agudos também indicam que as pastilhas estão gastas.

Vícios: Dirigir corretamente não é uma tarefa fácil mesmo para os motoristas mais experientes. Alguns vícios adquiridos ao volante são difíceis de ser corrigidos, pois estão incorporados ao cotidiano do motorista. Mas esses pequenos deslizes acabam reduzindo a vida útil de vários componentes e tornam mais frequentes as idas ao mecânico.

Mão na alavanca
Dirigir com a mão pesando sobre a alavanca de marchas força o trambulador (peça fundamental na ligação entre o câmbio e as engrenagens da transmissão), provocando o desgaste prematuro.

Embreagem
Deixar o pé apoiado na embreagem é um dos vícios mais comuns e difíceis de ser superado. As alavancas desse sistema são responsáveis por multiplicar de oito para 400 quilos o peso aplicado sobre o pedal e separar o disco de embreagem do platô. O pé apoiado no pedal acelera o desgaste do disco, molas e rolamentos.

Quebra-molas
Passar em uma lombada transversalmente (uma roda de cada vez), pode danificar as buchas da suspensão, amortecedores e rolamento.

Deixe seu comentário