Fernanda iniciou a carreira aos 24 anos

O Muay Thai é um esporte que está se popularizando entre as mulheres. A equipe da Nitro Team já conta com diversas equipes femininas e com mães, que através deste esporte procuram restaurar sua autoestima, ter o corpo desejado e mais importante de tudo: se empoderar. Na comissão de frente dessas atividades, está Fernanda Vodzik, grande campeã do esporte e incentivadora de suas alunas.

Motivada pelos benefícios que o esporte trás para a mulher, Fernanda resolveu ser professora. “Muitas de nós trabalham, estudam, são casadas, e a gente precisa de uma atividade física que libere esse estresse”, explica. Entre as vantagens está o emagrecimento, definição de musculaturas e defesa pessoal. Fernanda conta que uma hora de treino requer foco, o que ajuda as mulheres a desligar um pouco de outros compromissos. “Eu falo para as meninas que é a uma hora que elas tem para elas. É como se fosse a reunião mais importante do dia”.

As turmas ministradas por Fernanda são exclusivamente de mulheres. Atualmente, ela atende as três faixas etárias, desde as “mini mulheres”, que ficam na turma kids, até as adultas. Entre os projetos, a atleta desenvolveu o “Chama azamiga”. “O intuito é trazer pessoas e ajudar aquelas que estão em casa e não têm incentivo”, explica. O esporte é uma forma de recuperar a autoestima dessas mulheres, que muitas vezes passam por violência dentro do relacionamento, depressão e opressão.

As atividades propostas por Fernanda não são com o intuito de competição. “São aulas visando os benefícios, e não a competição”, explica. Entretanto, as aulas que quisessem correr atrás dos troféus, Fernanda disponibiliza treinos separados. Cada grupo é formados por, no máximo, 12 mulheres.

Super campeã
Fernanda Vodzik começou sua carreira aos 15 anos, atuando como modelo. Aos 24, ela conheceu o Muay Thai através de Gustavo Kuhn, e o que era apenas uma atividade física virou a paixão de Fernanda.

Participou da seleção gaúcha de Muay Thai pela FGMTE 2019 e da seleção brasileira de Muay Thai pela Cbmt em 2019. Com o Muay Thai, Fernanda foi três vezes campeã da copa RS, três vezes campeã gaúcha, duas vezes campeã da copa dos campeões, uma vez campeã da copa Brasil, campeã mundial 2019, campeã pan-americana 2019. Hoje ela possui dois cinturões da copa dos campeões 2014/2017, um cinturão panamericano 2019 e é graduada ponta preta de Muay thai.

Mudança de vida e persistência
A enfermeira Camila Anversa e a filha Livia Anversa, de 9 anos, adoram o esporte. A mãe começou há três anos no esporte e já perdeu 30kg nesse processo. “Eu fui emagrecendo aos poucos”, conta. Fazendo aulas três vezes por semana, muitas vezes após um plantão de trabalho. “O que me trouxe de incentivo foi que melhorou minha autoestima, emagrecimento, melhorei meu rendimento físico. Até no meu trabalho, no meu desempenho”, explica.
A “mini mulher”, como diz a própria Livia, viu toda a caminhada da mãe e se inspirou. Muitas vezes, quando o pai tinha que trabalhar, Livia ia para a aula junto com a mãe e começou a imitar os movimentos. Em novembro de 2019 Lívia entrou no projeto kids. “Eu gosto muito porque de vez em quando eu to muito braba e tira a raiva”, comenta.

Mãe e filha praticam e são
apaixonadas pela prática

Foco no esporte traz resultados que vão além da estética
“Vi nessa atividade física novos hábitos surgirem, assim como a resiliência, disciplina e hombridade!” diz Natalia Dourado. “Resultado veio com uma super transformação corporal e, principalmente, de mentalidade e está sendo incrível!”, complementa.

“O motivo maior de ter esta disposição toda é para estar preparada para brincar com minhas filhas, correr atrás delas, me abaixar e levantar sem ter dores, ou ficar ofegante por levantar elas para brincar”, conta Marjana da Silva. “Pensem em si mesmas, para alcançarem seu objetivo, sua meta, ser a sua melhor versão”, finaliza.

“Quando eu comecei a fazer o muay thay, eu estava totalmente deprimida”, conta Monice Souza. “A cada aula eu tinha mais certeza de era quilo que eu queria. A cada aula eu me sinto mais forte”, diz a aluna.

“Não tenha medo de mostrar o seu melhor lado, pois é ele que te faz com que seus super poderes apareçam, e a deixem mais fabulosa ainda! Uma mulher poderosa não deve ter limites”, relata Rosane Paz.

“Eu nunca me imaginei lutando e nem pisando em um tatame”, conta Ana Barreto. “Me sinto mais feliz e motivada. Sei que ainda falta muito, mas já estamos no caminho. Agradeço a Fe por estar sempre disponível e por me dar esta motivação que estava me faltando”.

Deixe seu comentário