Em sua forma poética de se relacionar com os objetos cotidianos, Carolina Mendes traz obra com braçadeiras de compressão

Duas artistas montenegrinas, as professores Daniela Heckler e Carolina Mendes de Oliveira, inauguraram no último dia 4, a exposição artística “Cotidianos Particulares”, na sala Ênio Pinalli, na Estação da Cultura. A mostra, que traz o cotidiano particular das criadoras, permanecerá até o dia 1 de novembro para apreciação do público.

Artistas Daniela Heckler e Carolina Mendes de Oliveira inauguraram, no último dia 4, a exposição “Cotidianos Particulares”

Amigas desde o Ensino Médio, Daniela e Carolina explicam que as obras são fruto de um trabalho iniciado no ano passado. “Em comum, os trabalhos trazem, principalmente, a mensuração do tempo e o desdobramento poético sob a perspectiva individual”, explica Daniela.
Dentre suas obras, Daniela apresenta um painel fotográfico, resultado da experiência ao caminhar desacelerado com o filho de quatro anos, e as descobertas feitas a partir do processo.

“No momento em que agrego valor ao achado, uma flor ou uma pedra, dou a ele outro significado. E optei ainda por expor alguns desses tesouros em porta-joias, para estimá-los”, salienta.

Daniela Heckler ressignifica objetos a partir

Já Carolina comenta sobre seu inventário de objetos e a ressignificação poética deles. “Os objetos de uso medicinais, as seringas, precisei utilizar durante o período da minha gestação”, diz Carolina.

As injeções não contêm mais medicamentos, mas trazem toda a carga desse período conturbado. “Também por isso as palavras escritas nelas”, complementa. As braçadeiras de compressão para a trombose, com linhas traçadas, representam o período de investigação de onde a doença estaria. “Decidi usar as peças porque modificaram meu cotidiano nos três anos em que precisei utilizá-las. Mudou minha forma de pegar as coisas, enxergar o mundo e até a maneira como as pessoas me olhavam”, conclui.

Deixe seu comentário