Novos focos foram encontrados durante mutirão realizado na cidade. foto: Prefeitura de Maratá

A Vigilância em Saúde de Maratá confirmou, na última semana, que já são três os focos de mosquito Aedes aegypti no município. O inseto é transmissor da dengue, febre chikungunya e Zika Vírus. Os dois últimos focos foram encontrados durante fiscalização nas ruas Erci Antônio Pohren e Ronoldo Kerber, no Centro. O primeiro foco havia sido identificado na rua Erci Antônio Pohren.

A agente de combate a endemias de Maratá, Fabiane Alves da Rosa, destaca que somente um trabalho em conjunto, com a colaboração de todos os munícipes, poderá controlar a proliferação do mosquito na cidade. Os focos encontrados não significam que haja em Maratá casos das doenças que ele transmite. O último foco encontrado no município foi localizado em 2012.

Secretária municipal de Saúde, Gisele Schneider reforça que é preciso da colaboração de todos para que o mosquito não se prolifere mais. “Precisamos evitar que ele transmita as doenças e, para que isso ocorra, cada um precisa fazer a sua parte”, diz.

O Aedes aegypti põe seus ovos em recipientes como latas e garrafas vazias, pneus, calhas, caixas d’água descobertas, pratos sob vasos de plantas ou qualquer outro objeto que possa armazenar água. Por isso, a necessidade de a população estar atenta e evitar que possíveis locais de proliferação se criem. O mosquito pode procurar ainda criadouros naturais, como bromélias, bambus e buracos em árvores.

Deixe seu comentário