Qualquer pessoa que apresentar febre e manchas no corpo acompanhado de tosse, coriza ou conjuntivite deve procurar os serviços de saúde. Foto: reprodução internet

Uma mulher foi diagnosticada com a doença em Vacaria. Ela teve contato com outras pessoas que estiveram doentes

O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), do governo do Rio Grande do Sul, confirmou mais um caso de sarampo no Estado. Dessa vez, no município de Vacaria, na região nordeste. Trata-se de uma mulher, de 29 anos, que teve contato com um dos casos que já foram confirmados em Porto Alegre anteriormente. Com ela, são sete as confirmações de sarampo no Estado este ano, todos considerados importados, ou seja, quando a contaminação não ocorreu em terras gaúchas. Há, ainda, um outro caso sob suspeita da doença, em Porto Alegre, segue em investigação.

Os casos surpreendem porque as Américas foram consideradas livres de sarampo em setembro de 2016, após a ausência da circulação do vírus pelo período de 12 meses. Agora, o Brasil possui 351 casos confirmados, todos considerados importados ou relacionados à importação, com dois óbitos em decorrência da doença. Além do Rio Grande do Sul, o sarampo está presente em Roraima, Amazonas e São Paulo. Antes de ocorrer o processo de eliminação do vírus, o último caso confirmado no estado foi em 1999. Em 2010, houve oito casos importados e em 2011 foram sete. Desde então, o estado não havia registro da circulação do vírus.

Vacinação é a forma mais efetiva de se proteger. Qualquer indivíduo que apresentar febre e manchas no corpo, acompanhado de tosse, coriza ou conjuntivite deve procurar os serviços de saúde para a investigação diagnóstica, principalmente aqueles que estiveram recentemente em locais com circulação do vírus. Casos suspeitos devem ser informados imediatamente às Secretarias Municipais de Saúde ou para o Disque Vigilância, através do número 150.

Para ser considerada vacinada, a pessoa precisa ter o registro em caderneta de vacinação conforme esquema vacinal. A rede pública de saúde disponibiliza gratuitamente a vacina Tríplice Viral para a população de 12 meses a 49 anos de idade e para profissionais de saúde e demais pessoas envolvidas na assistência à saúde hospitalar. Para esclarecer qualquer dúvida, dirija-se ao posto de saúde mais próximo com sua caderneta de vacinação.

Casos de sarampo em 2018 no RS
1 – A primeira notificação, em março, foi de criança de um ano de idade, não vacinada, da cidade de São Luiz Gonzaga, que se contaminou em viagem à Europa, local onde está ocorrendo um surto da doença.
2 – A segunda confirmação foi de uma estudante de 25 anos, de Porto Alegre, que esteve em Manaus, onde também registra surto de sarampo.
3, 4, 5 e 6 – Quatro moradores de Porto Alegre vinculados ao caso 2.
7 – Mulher de 29 anos, residente de Vacaria, vinculada a algum dos casos de Porto Alegre.
*Fonte: Secretaria da Saúde do RS

São considerados vacinados
– Pessoas de 12 meses a 29 anos que comprovem duas doses de vacina com componente sarampo/caxumba/rubéola;
– Pessoas de 30 a 49 anos que comprovem uma dose de Tríplice Viral;
– Profissionais de saúde independente da idade que comprovem duas doses de Tríplice Viral.

Deixe seu comentário