5º BPM

A corporação de Montenegro orienta a população sobre os efeitos da compra ou venda de carne sem procedência. O indivíduo que age como fornecedor ou consumidor está estimulando a prática do abigeato (roubo e abate de gado). Além de estar contribuindo com uma contravenção, o que pode resultar em complicações judiciais, a pessoa que ingere o alimento está pondo em risco sua saúde. Pois, na maioria dos casos, a carne é imprópria para consumo, devido a situações como doença ou a própria aplicação de medicamento. A BM alertou ainda os criadores para que reforce os cuidados em suas propriedades.

Dados do 5º BPM revelam que em 2018 foram registradas apenas duas ocorrências de furto de gado, uma no mês de fevereiro, em Triunfo, e outra em maio, em Montenegro. Para a Polícia, o número registrado não condiz com a realidade, pois muitas vítimas acabam não levando os casos ao conhecimento das autoridades. Contudo, a BM afirma, mesmo sem divulgar dados, que já houve redução nos casos quando comparado com anos anteriores. Em 2017, a BM em parceria com a Polícia Civil e órgãos do município, como Vigilância em Saúde, realizaram ações que resultaram na apreensão de centenas de quilos de carne sem procedência. Iniciativas como essas acabam inibindo a comercialização do produto e como consequência as incidências do crime. A divulgação das orientações faz parte da estratégia de intensificar essas ações preventivas.

Gado foi furtado 10 dias após ser vacinado
O caso de abigeato registrado no mês de maio em Montenegro aconteceu com o pecuarista Flávio de Oliveira Senger, de 58 anos. Ele teve três animais de seu rebanho carneados dentro da propriedade, na localidade da Volta do Anacleto. Isso aconteceu poucos dias após vacinação, e a indicação do medicamento era de que o abate somente ocorresse 120 dias após a aplicação da dosagem.

“Fiz todo um trabalho para abater no mês de outubro. Estava dosado com remédios fortes que não é aconselhável comer a carne logo após a aplicação. Quem come essa carne, certamente passa mal”, assegura.

O pecuarista observa ainda a forma de ação dos bandidos, que entram sorrateiramente. “Todos os dias meu funcionário leva os bois para o fundo do campo. Mas, mesmo assim, eles entram e pegam os animais. Tem a facilidade de entrar de carro no campo. Eu lido na pecuária há mais de 40 anos e não consigo entender como esse pessoal consegue pegar o gado tão facilmente”, comenta. “Eles são tão debochados que deixaram até roupa no campo da última vez, além de garrafas e cigarros”, conta.

Previna o abigeato
*Tenha o controle interno da propriedade;
*Tenha um bom cercamento;
*Coloque cadeados nas porteiras;
*Tenha sistemas de comunicação como telefone ou rádio;
*Tenha sempre perto os números de telefones da BM, Polícia Civil, vizinhos e parentes;
*Vá ao campo diariamente e verifique os aramados e os animais;
*Tão logo note o fato, registre a ocorrência no órgão policial e forneça o maior número de detalhes possível sobre o caso;
*Preserve o local do furto para a perícia;
*Ao notar carros estranhos, avise polícia e vizinhos;
*Não instale carregadores de gado ao lado da estrada;
*Não venda gado para abatedouros clandestinos;
*Limite a entrada de estranhos em sua propriedade.

Deixe seu comentário