Em virtude do parcelamento dos salários dos professores estaduais pela 21ª vez, neste mês, algumas escolas aderiram à greve proposta pelo Cpers/Sindicato. Os docentes exigem o fim do fracionamento da remuneração e que o governo pague os juros devidos pelos educadores ao Banrisul, por causa da quantidade de vezes que a divisão já ocorreu. A categoria pede também a retirada de projetos de lei que tramitam na Assembleia Legislativa e que são considerados prejudiciais à classe.

No último dia 31, os docentes receberam a primeira parcela do salário de agosto, de R$ 350. Outro depósito foi previsto para o dia 13 de setembro, mas a data ainda não foi oficializada. A Secretaria Estadual da Educação (Seduc) informou que não vai se manifestar sobre a greve por entender que o parcelamento de salários foge da competência da pasta.

Na segunda-feira, os educadores registraram de boletins de ocorrência contra o Governo, na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA). No documento, relatam “que o governo descumpriu o artigo 35 da Constituição Estadual e o Mandado de Segurança 70063914865, deferido pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (TJRS), acarretando abalo psicológico e financeiro”.

Situação das escolas em Montenegro e região
– Colégio Ivo Bühler – Ciep: professores farão reunião para ver decidir posicionamento da escola
– Escola Dr. Jorge Guilherme Moojen: expectativa é de que segunda-feira será tomada a decisão.
– Escola Januário Corrêa: aulas seguem normais
– Escola Yara Ferraz Gaia: aulas continuam, mas alguns professores estão em greve.
– Escola Manoel de Souza Moraes: A paralisação é parcial e o turno reduzido
– Escola Tanac: turno da manhã paralisou, mas ainda falta a decisão do da tarde
– Escola Álvaro De Moraes: aulas seguem normais
– Escola Aurélio Porto: professores, na segunda-feira, vão realizar uma reunião para decidir
– Escola Delfina Dias Ferraz: horário reduzido até o recreio. Nesta sexta-feira, vão decidir o posicionamento da instituição.
– Escola São João Batista: mais de metade do corpo docente está em greve.
– Colégio Dr. Paulo Ribeiro Campos – Polivalente: totalmente em greve
– Colégio A J Renner: parcial
Escolas da Região
– Escola São José do Maratá (São José do Sul): professores vão fazer reunião na segunda-feira para decidir
– Colégio Engenheiro Paulo Chaves (Maratá): professores vão fazer reunião na segunda-feira para decidir
– Escola São Francisco de Assis (Pareci Novo): Por enquanto está normal.
– Escola Erni Oscar Fauth (Brochier): aulas seguem normais

Deixe seu comentário