AS QUATRO invernadas costumam se apresentar em eventos municipais, festivais e particulares

Na busca. Sem sede própria e com pouco incentivo do município, invernada adulta pede ajuda da comunidade

DOMINGO, a invernada adulta ensaiou num CTG em Pareci Novo, mas ainda procura local para próximos ensaios

O Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Reminiscências passa por dificuldades na busca de um lugar adequado para realizar os ensaios semanais. Até o início do mês, a invernada adulta era acolhida pelo CTG Os Lanceiros, mas eles optaram parar devido a algumas reclamações de vizinhos por causa do som. “Não queríamos prejudicar o CTG que foi tão legal conosco nos cedendo o espaço”, afirma o patrão da entidade, João Vítor de Mello, com 25 anos.

Até o momento, eles dependem da gentileza da comunidade para poder ensaiar nas sextas-feiras, às 23h30 e aos domingos, às 22h. O período é de 1h30. “No último domingo, ensaiamos no CTG Charla Galponeira de Pareci Novo”, conta o patrão. Até achar outro local, o grupo se adapta às garagens dos dançarinos e até mesmo aos locais públicos, como as ruas.

Em praticamente todo o ano de 2016, o Reminiscências ensaiou no ginásio Azulão, no Parque Centenário, por meio de um contrato anual. “Aí tivemos que sair em função da interdição do Parque e, agora, segundo a Prefeitura, não podemos voltar por enquanto”, lamenta João. A Prefeitura diz que, em troca do uso do espaço, a entidade teria de ir de segunda a sexta-feira nas escolas promover atividades com as crianças.

“Isso é humanamente impossível. Nós trabalhamos e estudamos. E as crianças, que apenas estudam, dependem dos pais, que trabalham”, explica. “Eu acredito que seja importante estimular os alunos quanto à tradição, mas isso uma vez por mês e não todos os dias. Não tem como”, reforça o jovem.

Em 2016, quando a invernada adulta utilizava o Parque Centenário para dançar, a contrapartida era que o grupo se apresentasse em eventos municipais. “Isso, sim, é viável. É cativante”, indica o patrão.

O CTG Reminiscências não tem sede própria. Por isso que, enquanto os outros três grupos de dançarinos têm espaço fixo para os ensaios, a invernada adulta segue na luta por achar um e não perder dias de treino.

O grupo não tem preferência, mas salienta que o ideal é que seja longe do perímetro urbano. “Podemos colaborar com a água e a luz ou outras contas, mas precisamos de espaço porque as apresentações se mantêm de prática”, afirma João. As categorias pré-mirim e mirim prática na Associação Cinco de Maio e a juvenil no Restaurante Riograndense.

Compartilhar

Deixe seu comentário