Equipes pedagógicas de 41 escolas da região Sul do Brasil participam do encontro em Montenegro até esta sexta-feira.

Encontro acontece em Montenegro e reúne representantes de 41 instituições

Iniciou na manhã de quinta-feira, dia 14, o Encontro Nacional de Equipes Pedagógicas da Rede Sinodal, que segue até o meiodia desta sexta-feira. O evento mobiliza as equipes diretivas e coordenações pedagógicas de 41 escolas da rede, todas elas dos três estados da região Sul. O tema em debate é a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Durante o evento, palestras e apresentação de cases abordam as mudanças na área educacional do país, principalmente nas fases no ensino infantil, fundamental e médio.

De acordo com o diretor do Colégio Sinodal Progresso de Montenegro, Lorio José Schrammel, o setor pedagógico das escolas é o “coração”, porque define o trabalho das instituições. “Estamos discutido a inserção da tecnologia no dia a dia dos alunos, dentro das salas de aula. Além disso, pretendemos definir o perfil de estudantes que queremos formar, focando na língua estrangeira”, afirma Schrammel. Outro ponto importante do Colégio Sinodal são as horas complementares exigidas, sendo aplicadas na grade curricular dos alunos. Conforme o diretor, a escola oferece atividades musicais, esportivas e na área da dança.

Palestrante Juliano Costa destacou as mudanças do primeiro currículo que abrange toda a educação nacional

Uma das palestras foi apresentada pelo professor e vice-presidente de educação da Pearson Brasil, maior empresa de educação no mundo, Juliano de Melo Costa. O professor propôs um diálogo sobre a fundamentação e implicação da base comum curricular nas escolas. De acordo com Costa, é a primeira vez que o país possui um currículo que abrange todas as instituições de ensino básico e muda o que vai ser aplicado dentro das salas de aula.

Se um aluno mudar de escola e até de região, por exemplo, ele terá o mesmo conteúdo e aprendizado sem perder ou rever matérias já estudadas. “A partir de agora o inglês e a oferta do ensino religioso são obrigatórios do sexto ao nono ano do ensino fundamental”, revela Juliano. Com isso, as escolas confessionais, que estão ligadas a uma determinada religião, poderão continuar a ofertar o ensino religioso específico. No entanto, elas deverão introduzir o ensino sobre as outras religiões.

Sobre os principais desafios para a aplicação do novo currículo, Juliano Costa destaca que os estados precisarão montar os seus projetos específicos, pois o documento vai conter 60% das regras nacionais e as demais serão definidas no âmbito estadual. Outras questões fundamentais serão as capacitações dos professores e a conscientização das famílias quanto às mudanças.

Algumas polêmicas da BNCC
De acordo com o professor Costa, o documento define que matemática e português serão as disciplinas básicas do ensino médio. Hitória, Geografia, Biologia, Física, Química e outras entram como ciências humanas e ciências da natureza.

Porém, isso ainda continua sendo discutido em Brasília. A base também fala muito pouco em tecnologia, o que é extremamente importante em um mundo cada vez mais moderno e tecnológico.

Deixe seu comentário