A locomotiva deve atrair turistas ao complexo da Estação da Cultura. foto:Internet

Havia expectativa de que uma locomotiva doada pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico da Nação (Iphan) ao Município pudesse chegar até o final deste ano, mas informações da Diretoria de Cultura dão conta de que não há previsão por enquanto. A máquina, modelo 520, encontra-se na Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), em Canoas, e deve vir para a “Cidade das Artes” compor os atrativos turísticos do complexo da Estação da Cultura.

Em julho de 2016, a Entidade de Filantropia, Cultura e Arte (Efica), em parceira com a Prefeitura de Montenegro, deu início a um projeto com objetivo de conseguir a doação de uma locomotiva para a Estação da Cultura. O pedido foi protocolado no Iphan e, posteriormente, no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), mas em novembro acabou sendo arquivado.

Em maio deste ano, Clarice Biehl, presidente da Efica, conseguiu o desarquivamento do processo. E, para sua surpresa, pouco tempo depois recebeu uma ligação do Dnit questionando se a entidade ainda teria interesse em receber a máquina solicitada. Desde então, começaram as tratativas para que a locomotiva possa ser trazida para Montenegro. Contudo, ainda não há previsão de quando a máquina poderá ser transportada para seu “novo lar”.

A Diretoria de Cultura da cidade informa que um formulário confirmando o interesse em receber o veículo está sendo enviado ao Iphan. A partir da confirmação, deverá ser feito um Projeto de Planejamento de Transporte. Conforme a diretora de Cultura, Priscila Nunes, o deslocamento precisa ser realizado com cautela e por uma empresa especializada em transportes pesados. A logística de retirada do local onde se encontra a locomotiva é complexa, pois envolve serviço técnico especializado.

Segundo a diretora, uma pesquisa de mercado, realizada recentemente, aponta que o valor do investimento para translado da locomotiva deve girar em torno de R$ 120.000,00.

Após a chegada em Montenegro, a locomotiva necessitará de restauro. Priscila diz que a administração pública já está programando a formulação de um projeto para captação de recursos a serem investidos nesse trabalho, que servirá para resgatar um importante capítulo da história local.

Deixe seu comentário