A ESCOLA completa 115 anos em 22 de maio. Direção promove jantar-baile em comemoração

No dia 22 de maio, a Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Delfina Dias Ferraz completa seus 115 anos de dedicação aos alunos. E apesar da idade “avançada”, a instituição demonstra uma vitalidade juvenil na tarefa de educar e formar cidadãos.
Entre as obras que a direção realizou recentemente, está a implantação do Ensino Médio. “Nós tivemos que construir laboratório de Informática, Química e Ciências, Biblioteca, acessibilidade a banheiros e entradas, para atender aos requisitos do Conselho Estadual de Educação e consegur o aval”, afirma o diretor João Antônio Moreira, que está na administração desde 2015.

foto: Museu Digital/Arquivo Histórico

Atualmente a escola atende a cerca de 450 alunos e conta com 31 profissionais da educação e séries finais diurnas do Ensino Fundamental. À noite, os interessados podem fazer o Educação para Jovens e Adultos (EJA).

Em 2013, conforme o diretor, o espaço foi totalmente reformado. Neste ano, os móveis foram trocados – de alunos e professores, além da feita a estruturação de novas salas para o nível Médio. No total, a escola dispõe de 10 salas de aula. “Para o ano que vem, o projeto é colocar o curso de Magistério”, conta Moreira.

Os alunos, principalmente aqueles que já têm um histórico dentro da escola, estão ansiosos e surpresos com as mudanças. “Claro que todos aguardam mais pelo Ensino Médio. É novo, mas também ficaram felizes com a troca de móveis. É tudo pensando neles”, destaca Moreira. “Alguns, inclusive, sobretudo os menores, ajudam a cuidar demais. Às vezes, escuto alguma reclamação do tipo: ‘Profe, riscaram minha mesa’. Aí eu vou ver e são dois riscos”, enfatiza.

O LABORATÓRIO de Ciências foi criado para atender aos requisitos do Ensino Médio, mas já é usado por alunos

A intenção é, com as reformas, dobrar o número de estudantes atendidos. “Já estamos habilitados a receber alunos de Ensino Médio. Se não houvesse vaga nas outras escolas do município em tempo de matriculas, os estudantes seriam repassados para nós. Mas, no fim, até sobrou”, explica Moreira. “Gosto muito de trabalhar com o óbvio. Não posso exigir dos profissionais se não dou meios para que eles façam seu trabalho. Por isso, estou tentando melhorar a instituição de pouco em pouco”, frisa.

A Biblioteca, que foi reformada recentemente, conta com dois ambientes. Uma sala maior com nichos que escondem as paredes, segurando exemplares de livros dos mais variados assuntos, que totalizam 3 mil volumes. Noutra, não tão grande, há espaços para a distribuição dos títulos didáticos. Algumas mesas redondas também estão espalhadas pelo local, as que vieram novas para substituir as mais antigas, e ficam à disposição dos alunos para pesquisa.

As novidades se devem a vários fatores. O Ensino Médio, por exemplo, é uma demanda antiga da comunidade. “Os alunos normalmente saem do Delfina e não têm para onde ir, porque não conseguem vaga no São João Batista, que é a escola mais perto”, frisa o diretor.
Rosane Vogt, orientadora educacional na instituição há cerca de 40 anos, saúda as mudanças. “Vejo que, agora, nós estamos conseguindo acompanhar as tecnologias. Temos espaços adequados para ensinar”, finaliza.

Quem foi Delfina Dias Ferraz?
A professora Delfina Dias Ferraz dedicou mais de 50 anos de serviço à Educação. Natural de Porto Alegre, de 21 de maio de 1868, era considerada inteligente e culta, de uma estatura mediana, morena, enérgica e bondosa. Além de lecionar em escolas, também ministrava aulas particulares. Por várias vezes, dedicou-se à instalação de aulas noturnas para adultos. Tinha o hábito de amparar parentes e pessoas estranhas na casa em que morava.
Na escola, ela foi diretora por 17 anos, até sua aposentadoria. Em homenagem ao trabalho que desenvolveu na educação, o então Colégio Elemental 14 de Julho mudou seu nome para Grupo Escolar Delfina Dias Ferraz. Depois de aposentar-se, ela costumava preparar jovens para concursos. Faleceu em 8 de janeiro de 1949, num asilo em Ivoti, com 80 anos.

Comemoração pelos 115 anos
Em homenagem ao aniversário da escola, a direção está organizando um jantar-baile para o dia 3 de junho, no CTG Estância do Montenegro. O ingresso está sendo vendido a R$ 35,00, na secretaria. O cardápio será churrasco e saladas. A animação ficará por conta do músico Vandré Alexandre da Rosa e grupo.

Direção
Diretor: João Antônio Moreira
Vices: Janaira Flores de Andrade e Maria Cristina Schenkel Moreira
Orientadora Educacional: Rosane Vogt
Representante do Conselho Escolar: Clea Isabel Soares
Presidente do Círculo de Pais e Mestres (CPM): Estevão Carpes de Oliveira

conheça os nomes
Desde sua fundação, em 1902, a escola já teve várias denominações. Confira.
Em 1902 – Criação do Colégio Distrital – 3 de maio do mesmo ano, instalação.
1906 – Escola Complementar
1909 – Colégio Elementar
1921 – Colégio Elementar 14 de Julho
1939 – Grupo Escolar 14 de Julho
1956 – Grupo Escolar Delfina Dias Ferraz
1980 – Escola Estadual Delfina Dias Ferraz de 1ª a 5ª série
1984 – Escola Estadual Delfina Dias Ferraz de 1ª a 6ª série
1985 – Escola Estadual de 1º grau Delfina Dias Ferraz
2000 – Escola Est. de Ensino Fund. Delfina Dias Ferraz
2004 – Inicia o processo de solicitação de Ensino Médio

Compartilhar

Deixe seu comentário