Os alunos da Escola Cel Álvares de Moraes marcaram presença no evento. Escola estimula estudo e valorização dos aspectos históricos da cidade

Público encontra memórias e lembranças de momentos que antecederam a criação do Museu Nice Antonieta Schüler

Entre os dias 17 e 23 de setembro, é desenvolvido em todo o Brasil o projeto Primavera dos Museus. Em Montenegro, a iniciativa visa valorizar e homenagear as educadoras que tornaram realidade a criação do Museu Histórico Nice Antonieta Schüler.

O evento é realizado anualmente, no início da estação, quando o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) desenvolve uma programação especial para o período. Neste ano, é celebrada a 12ª edição, que chama a comunidade para refletir, discutir e trocar experiências sobre o tema “Celebrando a Educação em Museus”. Com esse objetivo, na tarde da última terça-feira, 11, foi inaugurada a exposição “Um por todas. Todas por um”, que representa o empenho do grupo de mulheres que, juntas, foram responsáveis pela criação e consolidação do espaço.

No evento, Elita Leipnitz Griebeler, Elisa Moojen Arpini, Nice Antonieta Schüler, Maria Eunice Müller Kautzmann e Márcia Rigon, já falecidas, foram relembradas por Áurea dos Santos Noval, a única remanescente do grupo. “Se elas estivessem aqui, estariam felizes em saber que estão dando continuidade a algo que fizemos com tanto carinho”, disse, emocionada. “É importante despertar nas crianças a importância que os museus têm para a preservação da nossa cultura e da nossa história.”

Na mostra, o público encontra fotos históricas que tratam do surgimento da instituição e um vídeo com depoimentos de familiares de algumas destas mulheres e da moradora e cidadã montenegrina Áurea Noval. Cheia de detalhes, através dos registros fotográficos, a exposição busca resgatar memórias e lembranças de momentos que antecederam a criação do Museu de Montenegro.

Durante o evento de inauguração, Liane Schüler, filha da patrona do museu, doou para a instituição um quadro de Nice Antonieta Schüler, que estará exposto para que a homenageada fique eternizada pelos trabalhos desenvolvidos em prol da cultura montenegrina. “Eu tinha um sonho que esse momento acontecesse”, declarou Liane. “Esse quadro da mãe estava na parede da minha casa, mas eu sempre achei que o lugar dele era aqui, nesse lugar que ela tanto falava e contava sobre ter sido uma das fundadoras.”

Para tornar o momento ainda mais especial, Liane, acompanhada de sua harpa, tocou a música “Gentileza” da cantora Marisa Monte. “Eu acho que essa canção traz uma mensagem muito forte sobre como a arte é tratada atualmente, ou seja, apagaram tudo, pintaram de cinza, passaram tinta para ficar bonito e, assim, toda uma história se perde aos poucos”, justifica Liane.

Escola leva alunos e estimula contato com a história da cidade
Este ano, a Primavera dos Museus propõe uma reflexão sobre uma das principais funções do museu: educar e contribuir no despertar do interesse para diferentes áreas do conhecimento, a vida em sociedade, a importância das memórias e o valor do patrimônio cultural musealizado.

Na inauguração da exposição “Um por todas. Todas por um”, estiveram presentes alunos do 4ª ano da Escola Estadual Cel Álvaro de Moraes. A professora Ana Elisa Stein, que acompanhou o grupo, destaca a importância do museu no processo de educação dos estudantes.

ÁUREA dos Santos Noval, a única remanescente do grupo responsável pela criação do museu de Montenegro. Processo começou nos anos 70

“Nesse período escolar, tratamos bastante sobre Montenegro, destacando aspectos históricos, culturais e artísticos. Por isso, decidi trazê-los aqui para que pudessem observar como eram as coisas do nosso passado”, explica a professora. “Hoje eles estão voltados ao mundo digital, mas é importante esse contato com nossas memórias através dessa prática mais lúdica e fora da sala de aula.”

História, cultura e o papel da sociedade
Durante a abertura da exposição “Um por todas. Todas por um”, a emoção tomou conta de todo o público presente. Em uma das falas, a única remanescente do grupo responsável pela criação do Museu de Montenegro, Áurea dos Santos Noval, não conteve as lágrimas ao relembrar o incêndio que transformou em cinzas o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, há duas semanas. “Isso chega a doer, e ainda tenho medo de que as novas gerações não tenham acesso ao nosso patrimônio histórico e cultural”, comentou.

Liane Schüler, filha da patrona do museu, encantou o público com uma apresentação musical

A diretora do Departamento de Cultura, Priscila Nunes, salientou o apoio da população como fundamental na preservação da história de Montenegro. “Cada um é como uma sementinha, por isso, devemos cuidar para que nossas memórias não sejam apagadas pelo fogo ou se percam água abaixo”, disse Priscila.

Para finalizar o evento, Liane Schüler, filha da patrona do museu, tocou e cantou a música “Eu Só Peço a Deus”, conhecida nacionalmente pela voz de Beth Carvalho. “Essa canção é atual e fala sobre o descaso com nossa história, com nossa cultura, com nossa arte e com nossa gente”, completou Liane.

Deixe seu comentário