Quem já ouviu falar em regressão? Muitos, não é?! Porém, são poucos os que conhecem essa terapia, afinal quando se fala em regressão há vários métodos. Uma delas é a regressão por hipnose, regressão conduzida e a psicoterapia reencarnacionista. É sobre esta que quero lhe falar.
A psicoterapia reencarnacionista, baseada na reencarnação, é uma nova escola de psicoterapia e a diferença fundamental entre ela e as demais é que a reencarnação é o seu elemento básico e, a partir daí, é que o tratamento estrutura-se. Ela iniciou em 1996, em Porto Alegre, e atualmente conta com curso de formação em 16 estados do Brasil e centenas de profissionais graduados.
Essa nova psicoterapia nasceu com a finalidade de trazer à psicologia e à psiquiatria uma possibilidade de expansão nunca antes imaginada. A reencarnação é agregada aos conceitos psicológicos e psiquiátricos, criando uma nova maneira de encarar os conflitos de todos nós. A infância deixa de ser considerada o início da vida e passa a ser vista como a continuação da existência eterna. A família não é mais um conjunto de pessoas que se uniram ao acaso por laços afetivos e, sim, um agrupamento de espíritos unidos por laços kármicos. As situações que vamos encontrando no decorrer da vida não são aleatórias, e sim reflexos, consequências, decorrências de nossos atos passados, necessidades para nosso projeto evolutivo espiritual.
A psicologia atual, herdeira de uma concepção religiosa não-reencarnacionista, enxerga a nossa vida apenas desde a infância e, por isso, limita seu campo de ação a uma fração mínima da nossa existência. Ela trabalha com um conceito equivocado do que é a formação da personalidade, pois afirma que não existíamos antes. Considera, então, que nossas características de personalidade originam-se lá no “início da vida”, bem como nossos sentimentos negativos, pela conjunção de fatores genéticos, hereditários e ambientais. Tudo originou-se lá, obrigatoriamente, pois nada havia antes.
Mas e as nossas encarnações passadas? Na nossa vida encarnada anterior não tínhamos uma personalidade? Evidentemente que sim, então não é de bom senso pensar que somos a continuação daquele que fomos na vida anterior? Isso derruba o conceito de formação de personalidade e cria outro, revolucionário, evolucionista, clarificador, o de personalidade congênita, um dos pilares básicos da psicoterapia reencarnacionista.
Uma moderna escola psicológica, a psicoterapia reencarnacionista visa ajudar a todos nós a mudarmos a visão que temos da nossa infância – fatos, pessoas e situações da nossa vida – para a percepçãode que o nosso Espírito e os nossos mentores espirituais têm a esse respeito. É o que chamamos “versão-persona” X “Versão-Espírito”. Esse é o modus operandi da psicoterapia reencarnacionista e, por isso, requer um tratamento de alguns meses ou anos e não apenas sessões de regressão e, sim, conversas a esse respeito. Há muito desse mundo para você explorar.

Nadir Juliana Silva
Terapeuta reikiana

Deixe seu comentário