Estudo aponta ainda pretensão dos lojistas de fazer investimentos. Foto: Internet

Após efeitos da greve de caminhoneiros, no final de abril, o varejo de material de construção registrou em junho aumento de 3% nas vendas, na comparação com maio. Em relação ao mesmo período do ano passado, o setor apresenta desempenho estável. Já no acumulado do ano, observa 3% de crescimento sobre 2017. Nos últimos 12 meses, o desempenho é 6% positivo.

Os dados são da Pesquisa Tracking mensal da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), que entrevistou 530 lojistas entre os dias 26 a 29 de junho. Segundo o presidente da entidade, Cláudio Conz, para quem está pensando em reformar ou construir, a hora é agora: “Geralmente os meses de junho e julho são de crescimento nas vendas. Com o fim do período de chuvas, as pessoas voltam a retomar as obras”, avalia.

Porém, salienta que o setor ainda sofre um impacto de forma clara por conta do aumento do Dólar. Produtos que levam cobre e outros materiais cotados na moeda norte-americana sofreram aumentos 6%, já repassados ao consumidor. Mas as altas do frete e do preço do petróleo nas resinas – que afeta o setor de tintas – deve trazer outros aumentos até o final deste mês.

Evolução por região

Centro-Oeste foi a região com melhor desempenho no mês (alta de 11%), seguido de Nordeste e Sul (cada um com 6%). Nas regiões Norte e Sudeste não houve variação.

Entre as categorias avaliadas, tintas e revestimentos cerâmicos apresentaram crescimento de 3% no mês, enquanto telhas de fibrocimento retraíram 4%

Deixe seu comentário