Cicatrizes no pescoço de Rosani Ana evidenciam brutalidade do crime

Crueldade. Elisandro Santos desferiu inúmeras facadas na ex-companheira

Rosani Ana Scherer, 39 anos, carrega no corpo uma série de cicatrizes, as mais visíveis no pescoço. Não sabe dizer quantos golpes com uma faca e um facão recebeu do ex-companheiro, Elisandro Carvalho Santos, 34. O crime ocorreu no dia 5 de maio deste ano, em Harmonia. Inconformado com a separação ocorrida um mês antes, o homem foi até a casa onde a mulher passou a morar e a atacou brutalmente.

Em função do crime, a auxiliar de um frigorífico de aves em São Sebastião do Caí passou uma semana internada no Hospital de Pronto Socorro (HPS) de Porto Alegre e perdeu o pulmão direito. Mas talvez a principal sequela seja conviver com o medo. De dentro da Penitenciária Modulada de Montenegro, onde está preso preventivamente desde o fato, ele envia mensagens para o celular da vítima. Rosani entende o conteúdo como ameaças.

Em um dos textos, Elisandro pede para a ex-companheira desistir da ação na Justiça e promete deixá-la em paz caso concorde. Mesmo Rosani quisesse fazê-lo, isso seria impossível, pois se trata de ação penal pública incondicionada de representação.

“Um crime gravíssimo como esse não aceita desistência, independe da vontade da vítima. Mesmo que ela diga que não quer (a continuidade do processo), essa possibilidade não existe”, comenta a responsável pela Delegacia de Polícia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), Cleusa Spinato.

A delegada ressalta já ter sido comunicada sobre as mensagens e que serão solicitadas providências à Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe). Além disso, o responsável pelo crime pode responder por coação no curso do processo.

Em outra mensagem, ele felicita Rosani pelo Dia das Mães, pede desculpas e diz que a ama. “Bota na tua cabeça, eu sou teu homem”, escreveu. Confira os textos no canto inferior à direita

Rosani faz acompanhamento psicológico e precisará de fisioterapia, para voltar ao trabalho “Primeiro quero perder esse medo, não consigo sair para lugar nenhum. Aqui em casa, está todo mundo apavorado. Qualquer barulhinho já achamos que é ele. Isso não é vida”, ressalta.

Foram 15 anos de sofrimento ameaças e agressões físicas
Durante os 15 anos de relacionamento, eram frequentes as agressões e ameaças por parte dele. Em função disso, Rosani fugiu e morou em diferentes municípios do Estado, mas acabava sendo encontrada e, por medo, sempre cedia às investidas do homem. “Ele dizia que se não fosse dele, não seria de mais ninguém”, lembra. “Quero que ele pague por tudo que me fez durante todos esses anos”, completa.

Os dois se conheceram quando foram colegas na Frangosul, em Montenegro, atual JBS. Antes da separação, moravam no bairro Estação. A vítima é natural de Cunha Porã, em Santa Catarina.

Em uma oportunidade, Elisando chegou a ser preso após fazer ameaças à vítima. Contudo, ficou apenas um dia atrás das grades e ganhou a liberdade depois de a Justiça decretar medidas protetivas.

Crime na frente do filho
Armado com um facão e uma faca, por volta das 10h30, Elisandro chegou à casa na rua Violeta, 874, em Harmonia. Rosani passou a morar ali após a separação, com o filho dos dois, de 11 anos, e um casal de sobrinhos. Ele arrombou a porta da entrada e partiu para cima da vítima com vários golpes.

A auxiliar de serviços gerais ainda tentou se defender, correu com o menino e se trancou no banheiro, mas ele arrebentou a porta e continuou com as agressões.

Para Rosani, o plano do ex-companheiro era matar também os sobrinhos dela, que não estavam no local. Antes de fugir, ele prometeu assassinar a enteada, de 18 anos. Muito ferida, a ex-companheira foi socorrida por vizinhos. Antes de ser preso, o acusado causou um acidente no trevo de acesso a São Sebastião do Caí, na ERS-124.

Deixe seu comentário