Ideia é que Parque da Cachoeira Maratá (foto) e Parque da Cascata da Vitória fiquem futuramente sob responsabilidade da iniciativa privada. Foto: Cascata Maratá

Turismo. Na última semana, Câmara de Vereadores aprovou incentivos para instalação de um hotel

Transformar Maratá, a Capital das Belezas Naturais, numa cidade turística é um sonho da atual Administração Municipal que aos poucos vai ganhando forma. Buscando oferecer uma melhor estrutura aos visitantes, o Executivo, que é dono das áreas de terra das duas cascatas da cidade, pretende fazer uma concessão dos parques para a iniciativa privada. Além disso, a construção de um hotel deve alavancar ainda mais o turismo no município.

De acordo com o prefeito Fernando Schrammel, os Projetos de Lei que irão tratar das concessões estão sendo elaborados. “A gente tem um pessoal aqui de Maratá que está convencido que o turismo pode ser uma grande fonte de renda”, destaca. Ele ressalta que a ideia de conceder as áreas para a iniciativa privada se dá pela falta de recursos necessários para investir nos parques.

O secretário de Cultura, Turismo e Desporto, Alexandro Haupenthal, explica que está trabalhando com um grupo formado por engenheiro, arquiteto e setor jurídico para montar os planos de concessão de cada parque e os seus respectivos projetos de lei. “O planejamento está sendo feito em cima da área de terra. Estamos fazendo a medicação, regularizando a área e vendo a questão ambiental para que o interessado saiba onde poderá ser construído algo para o investidor ter essa segurança”, explica. Segundo ele, o plano é fechar uma parceria de até 20 anos.

“A gente quer alguém que explore os parques, trazendo mais atrações como caminhadas ou arborismo”, aponta o titular da pasta de Cultura, Turismo e Desporto. Alex, como é conhecido o secretário, explica ainda que a ideia é que o futuro responsável pelo parques pague aluguel para a Prefeitura ou realize investimentos na sua área de concessão. Estes investimentos precisarão ser comprovados e haverá fiscalização por parte da secretaria municipal de Cultura, Turismo e Desporto.

Parque Municipal estará aberto durante a Oktoberfest, garante secretário.

Parque da Vitória terá novo ecônomo
Sobre a situação atual do Parque da Cascata da Vitória, que encontra-se fechado por não haver contrato de economato, Alex diz que uma licitação será realizada para que haja um ecônomo durante a temporada (de novembro a início de março). Ele garante ainda que a área estará aberta durante a Oktobefest, uma vez que ela fará parte de uma rota criada especialmente para a festa municipal. “Hoje o parque só está com os portões abertos aos sábados e domingos, mas sem nada aberto e sem a cobrança de entrada, por não se tratar de temporada”, destaca.

Alex alerta ainda para o fato de as taxas de manutenção terem mudado após um PL ser aprovado pela Câmara de Vereadores. Agora, será cobrado R$ 7,00 por pessoa para se entrar nas dependências dos parques municipais da Cascata da Vitória e Cachoeira Maratá. Residentes de Maratá são isentos da cobrança da taxa, mas devem apresentar qualquer documento que comprove vínculo com o município ao entrar no parque.

Além disso, será cobrado R$ 30,00 diários para o acampamento e R$ 20,00 para o uso das churrasqueiras. A entrada de bebidas de qualquer espécie, exceto água, está proibida, bem como a permanência de veículos no parque, exceto na área de estacionamento previamente delimitado pela Administração Municipal. A taxa de contribuição servirá para cobrir as despesas de manutenção e conservação dos parques.

Hotel irá se instalar na cidade
Na última segunda-feira, a Câmara de Vereadores de Maratá aprovou um Projeto de Lei (PL) que autoriza o Poder Executivo a incentivar a empresa Maratá Empreendimentos a instalar um hotel na cidade. Conforme o documento, a Prefeitura se responsabiliza por realizar a terraplanagem e limpeza do terreno onde o prédio será construído, bem como fazer toda a infraestrutura de água e esgoto. A medição da área e alinhamento do terreno e o projeto de engenharia e execução também ficaram sob responsabilidade do Município.

A Prefeitura se comprometeu ainda a isenção de IPTU por 10 anos a partir de 2018, isenção de todas as taxas municipais necessária para execução da obra e mão de obra para execução da calçada. Em contrapartida, a empresa se compromete a investir inicialmente R$ 3 milhões, a gerar inicialmente 10 empregos e, no decorrer da demanda, mais de 20, além de permanecer em atividade por um período mínimo de 10 anos. O PL especifica ainda que o início das atividades comerciais e de hospedagem deverão iniciar no prazo máximo de 24 meses a contar da assinatura do contrato entre Prefeitura e empresa, podendo ser prorrogado uma única vez por 180 dias.

De acordo com o prefeito, os investidores são da Região Metropolitana. Fernando diz que a predileção por Maratá se deu por ser um lugar calmo e com pontos turísticos, perfeito para receber treinamentos e dinâmicas de grupo. “O que faltava mesmo era o hotel”, aponta. Ele afirma que para o Município o principal atrativo são os turistas que irão se hospedar no local e passarão a ficar mais do que um dia na cidade, gerando maior fluxo no comércio local.

Na aposta do prefeito, o hotel será um divisor de águas para o turismo de Maratá. O prédio deverá ter aproximadamente 25 quartos, além de outros espaços como um mini-auditório. A projeção de Fernando é de que entre janeiro e fevereiro do próximo ano se iniciam as obras do novo empreendimento.

Deixe seu comentário