Postes estão sinalizados, mas, mesmo assim, motoristas devem ter máxima atenção ao passar pelo trecho

Prefeitura já contratou empresa para realizar deslocamento e aguarda aval da RGE Sul para promover o reposicionamento

Quem passa pelo trecho da Transcitrus que liga o distrito brochiense de Linha Pinheiro Machado a Maratá tem a agradável surpresa de encontrá-lo totalmente asfaltado. Porém, há também o desprazer de ver na prática as dificuldades que a burocracia impõe aos órgãos públicos. Isso se apresenta na forma de três postes que estão dentro da pista, um deles quase no meio dela e numa curva.

RGE diz que autorização para reposicionamento deve ocorrer em breve

Conforme o secretário municipal da Administração e Fazenda, Evandro Carlos Pereira, ao fazer a substituição dos antigos postes de madeira por novos, de concreto, a RGE Sul, concessionária responsável pela distribuição de energia na região, não comunicou ao Município. Este, por sua vez, projetou o alargamento da estrada no trecho em questão em razão do asfaltamento previsto. Assim, criou-se o problema que o Executivo brochiense busca solucionar há mais de 30 dias.

De acordo com Evandro, foi feita uma licitação para que uma empresa especializada realize um projeto de deslocamento dos postes que estão dentro da pista e outros que ficam muito próximos do asfalto e, posteriormente, execute essa obra. “Falta a RGE dar a autorização para a retirada dos postes”, afirma. Segundo ele, esse deslocamento de estruturas custará R$ 40.500,00 aos cofres do Município.

A RGE Sul informa que, para o reposicionamento dos postes, falta apenas a assinatura de alguns termos, que deverão ser enviados até segunda-feira, dia 2 de julho. “Após o retorno, a empresa contratada pela Prefeitura estará apta para iniciar as obras”, garante a concessionária, via assessoria de imprensa. Sobre o fato de ela própria não realizar o procedimento, a RGE Sul explica que, em abril, após migração de sistema, teve início a possibilidade de execução do deslocamento de postes pela própria concessionária. “Como este processo (do reposicionamento dos postes em Linha Pinheiro Machado) teve início antes, a opção é executada pelo interessado por meio de empresa contratada”, ressalta a companhia.

“O bom é que estamos tratando de uma obra que é fantástica. Infelizmente, quando se faz uma obra se pode enfrentar problemas. mas não ficamos inertes frente a eles”, destaca o secretário da Administração e Fazenda. Segundo Evandro, após o reposicionamento dos postes, uma nova camada de asfalto será colocada no espaço por eles ocupado. “Enquanto isso, pedimos que os motoristas tomem cuidado”, reforça. A obra em questão está avaliada em R$ 972.470,97 e está sendo executada com recursos do Ministério das Cidades e contrapartida do Município.

Deixe seu comentário