A Câmara de Vereadores rejeitou, por unanimidade, na noite desta quinta-feira, o projeto de lei do Executivo que instituía a Contribuição de Iluminação Pública (CIP) em Montenegro. De acordo com o texto, se fosse aprovado, cada residência e comércio deveria pagar, na conta de luz, um adicional mensal de 1,643 URMs, ou seja, R$ 5,40.
O projeto de lei também previa que estariam isentas do pagamento da CIP as unidades que não ultrapassassem o consumo de 30 KWh/mês, o que corresponde a cerca de 1.600 ligações de luz. Segundo o prefeito Kadu, hoje a iluminação das ruas e demais espaços públicos, como praças e parques, custa aos cofres públicos em torno de R$ 125 mil por mês. Se a Prefeitura conseguisse se ressarcir de parte destes valores, poderia investir na ampliação e qualificação dos serviços.
Os argumentos não convenceram os vereadores. Durante a votação, lembraram que não é hora de criar novos encargos ao contribuinte, que já paga impostos demais e não recebe uma contrapartida adequada do poder público.

Deixe seu comentário