De acordo com uma pesquisa de final de ano da FecomércioRS, 41,9% dos gaúchos pretendem utilizar o abono do 13º salário para a compra de presentes. A federação também acredita que as vendas deste ano superarão em 7% as do ano anterior no mesmo período. Duas boas notícias para os comerciantes da região, que já preparam as mercadorias para uma das datas mais rentáveis do ano.

Gerente de uma loja de cosméticos, Angélica Teixeira

A gerente da loja Cosmetik Haus- Centro de Cosméticos, Angélica Taiana Teixeira, 33 anos, acredita que, sim, o 13° vai entrar incrementar a renda dos consumidores e ajudar nas compras deste Natal. “As expectativas para as vendas são boas. Apesar do movimento da época não ter iniciado e o fluxo ainda ser normal. Mas já começamos a investir em produtos para presentes e encomendas de perfumes”, comenta.

Para Rosângela Seelig Hommerding, a “Mana”, da loja Seelig de Montenegro, especializada em moda masculina, feminina, acessórios, cama, mesa e banho e presentes, as expectativas para as vendas de Natal também são boas. “Pelo que temos acompanhado sobre economia nas reportagens, a previsão, para a época, é de crescimento. E nos preparamos com bastante novidades”, destaca.

De acordo com pesquisa, 41,9% dos gaúchos pretende utilizar o abono nas compras de Natal

Mana acredita que o 13° salário reforçará a renda do consumidor e um dos destinos dele poderá ser as compras natalinas. “Sem dúvida, muitos esperam o abono ou para saldar alguma dívida, ou para investir em presentes e compromissos referentes à data”, conclui.

Homens vão gastar mais que as mulheres com presentes
Outro apontamento curioso da pesquisa da Fecomércio é a média a ser gasta pelos consumidores com os presentes. Segundo o estudo, serão R$ 534,65 para homens contra R$ 486,11 pelas mulheres.

A consumidora Andreza Albanus Teixeira, 30 anos, credita à crise a impossibilidade de gastar tanto. Contudo, a dona de casa não deixará a data passar em branco e fixou o valor de R$ 250,00 para presentear os filhos em compras na cidade. “Não cheguei a comprar ainda e nem tenho ideia do que darei, mas a crise está feia, então não dá para gastar mais. Será esse valor, no máximo, e para presentear os três”, enfatiza. Como ela não possui renda, o salário e o abono do 13º do marido incrementarão os gastos. “Já ajuda muito”, conclui.

Gisele Coelho optou por pagar as contas

Há também quem opte por dar outro destino ao dinheiro na época natalina, como é o caso da consumidora Gisele Coelho, 36 anos, dona de casa, que prioriza o pagamento das contas. Sem 13° salário por não estar empregada, ela afirma que, neste ano, optou por gastar apenas com a ceia natalina. “Moramos apenas eu e meu marido. E como estamos pagando a nossa casa, além de que a crise apertou, só vou comprar alguns quitutes para o acaso de aparecerem visitas”, destaca.

Para a analista contábil Jaqueline Porto Menezes, 28 anos, haverá desembolso no valor de R$ 50,00. “Vou presentear somente quem eu tirar no amigo secreto da família, e não vou utilizar o 13° salário para essa finalidade. O principal motivo é eu estar economizando para construir a minha casa”, salienta.

Amiga de longa data de Jaqueline, a funcionária pública Cássia Willers Peralta, 29 anos, pretende abrir um pouco mais a carteira para agradar ao marido, filha e afilhados. “Minha intenção é não ultrapassar R$ 300,00. Para o marido, comprarei uma lembrancinha e, para minha pequena, um brinquedo que, para variar, ela quer. Mas não utilizarei o décimo nessas compras”, encerra.

Presentes mais comuns
Segundo a Fecomércio, os presentes mais comuns neste ano serão artigos de vestuário (75,3%), brinquedos (45,7%) e calçados (18,7%). Vestuário foi citado como primeira opção por consumidores de todas as classes de renda. Os locais de compras preferidos, mais uma vez, serão as lojas de rua (73,5%), seguidas por shopping centers (18,2%) e lojas de bairro (11,7%). A internet foi citada por apenas 3,6% dos entrevistados.

Deixe seu comentário