Reduzir a velocidade e sinalizar com antecedência são algumas ações. foto: banco de imagens

“A chuva fina e a pista molhada, com uma carreta foram se chocar…”. A música de Sonho de um caminhoneiro, de Milionário e José Rico, serve de alerta aos motoristas em situações de mau tempo. Na canção, um dos amigos caminheiros morre após um acidente.
Dirigir sob chuva intensa, com a regisrada nessa terça-feira, 12, requerer alguns cuidados. Entre eles, reduzir a velocidade, aumentar a distância de segurança do veículo à frente, utilizar os sistemas de ventilação para evitar o embaçamento dos vidros e sinalizar com ainda mais antecipação suas intenções.

O gerente técnico do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), Renato Campestrini, salienta o fato de a falha humana ser fator determinante para a ocorrência de 90% dos acidentes. “Sendo assim em condições de chuva, ou mesmo em dias de céu azul, a consciência e a prudência devem ser parceiros inseparáveis dos condutores. Agindo de forma preventiva, de acordo com as regras, acidentes são evitados”, frisa.

Fique atento!
– Reduzir a velocidade e manter maior distância do veículo da frente
– Manter os pneus calibrados
– Usar o ar-condicionado e o desembaçador elétrico traseiro ou abrir um pouco as janelas, para deixar o ar circular pelo carro e ter melhor visibilidade
– Fazer a revisão dos freios, limpadores e faróis do veículo
– Evitar freadas bruscas
Fonte: Detran/DF

Entrevista: Renato Campestrini, Gerente técnico do observatório nacional de segurança viária
Jornal Ibiá – É possível estimar em quantos por cento a chuva e a pista molhada aumentam o risco de acidentes graves?
Renato Campestrini – Não é possível determinar um valor, pois há muitas variáveis envolvidas, como estado de conservação de pneus, dos limpadores de pára-brisa, condições da pista. No entanto, na chuva, nem sempre a velocidade máxima regulamentada para a via pode ser a mais adequada, o condutor deve ser precavido e, sempre que possível, deve reduzir a velocidade em condições de pavimento molhado.

JI- Que comportamentos os motoristas devem tomar visando se precaver?
RC – Reduzir a velocidade, aumentar a distância de segurança do veículo à frente, redobrar a atenção, utilizar os sistemas de ventilação interna do veículo para evitar o embaçamento dos vidros, sinalizar antecipadamente suas intenções. Em rodovias, sempre transitar com os faróis acesos e utilizar esse expediente também na cidade.

JI – É recomendável, por exemplo, trafegar abaixo da velocidade máxima?
RC – Sempre que possível o condutor deve adotar essa prática como medida de segurança, mesmo com o pavimento seco, sem condições de chuva. Por vezes, a velocidade máxima permitida nem sempre é a ideal para algumas condições de trânsito, vias.

JI – A luz alta deve ser evitada?
RC – A luz alta somente deve ser utilizada em condições de pouca luz, de forma a não incomodar os demais condutores. Vale destacar que em condições de neblina, nevoeiro, a luz alta mais prejudica do que auxilia no ato de visualizar o que acontece a frente do condutor. Por essa razão, nos automóveis as luzes de neblina são colocadas bem baixo, para iluminar a via por baixo da neblina.

JI – Outra questão importante tem relação com a maioria dos carros novos virem de fábrica com kits multimídia. Em situações adversas como o mau tempo, esses mecanismos podem levar a falta de atenção?
RC- A tecnologia vem sempre para auxiliar no dia a dia do condutor, mas ele deve ter o discernimento para evitar que itens do veículo levem a distração. Destacamos que itens como DVD automotivo, por exemplo, não podem funcionar na parte dianteira do veículo com ele em movimento, a tela deve ficar inibida de imagens, já o GPS pode mostrar o rumo a seguir, mas a atenção do condutor deve sempre priorizar o que acontece no trânsito à sua frente, e também ao que vem atrás do seu veículo.

Deixe seu comentário