Uma pesquisa sobre endividamento e inadimplência do consumidor, divulgada pela Fecomércio-RS nesta terça-feira (09), mostrou que as famílias com até dez salários mínimo tiveram um aumento considerável na inadimplência. Apesar desse dado, o quadro de endividamento das famílias gaúchas se manteve estável em dezembro de 2017, se relacionado com o mesmo período de 2016.

O principal vilão do bolso é o cartão de crédito (74,6%), seguido por carnês (44,0%), crédito pessoal (16,3%) e financiamento de veículos (13,0%). Em dezembro passado, a parcela do salário comprometida com dívidas foi de 32,9% na média em 12 meses, e o tempo de comprometimento da dívida, também no período de 12 meses, permaneceu em 8,1 meses.

“Esse resultado pode ser explicado pelo atual momento da economia, com redução da taxa básica de juros e a recuperação do mercado de trabalho – fatores que contribuem para o aumento da tomada de crédito”, informa, em nota à imprensa, a Fecomércio. A dificuldade em deixar o quadro de inadimplência continuou elevada. 45,6% dos consumidores têm dívidas em atraso e 9,5% não terão condições de regularizar nenhuma parte de suas dívidas em atraso nos próximos 30 dias.

Deixe seu comentário