Seleção, Brasil, Copa do Mundo, Rússia, confiança, futebol
Lucas Figueiredo / divulgação CBF

Faltam quatro semanas para o início da Copa do Mundo 2018 e exatamente um mês para a estreia do Brasil. No início desta semana, o técnico Tite anunciou a convocação da Seleção Brasileira para o Mundial e, na próxima semana, os jogadores se apresentam na Granja Comary para iniciar a preparação. No entanto, não são apenas os atletas que estão arrumando as malas para viajar à Rússia.

O montenegrino Rodrigo Machado, o Feijão, 27 anos, também vai participar da maior competição de futebol do planeta. Ele embarca no dia 17 de junho para acompanhar de perto os dois primeiros desafios da Seleção Brasileira na Copa: contra a Suíça, em Rostov, dia 17, e diante da Costa Rica, em São Petersburgo, dia 22. “Já assisti a um jogo do Brasil, no Rio Grande do Sul, mas não na Copa do Mundo. Vou ver duas partidas lá e depois visitarei outros países (Alemanha, República Tcheca e Holanda). Espero jogos tranquilos para a Seleção Brasileira”, conta.

O torcedor acredita que o Brasil tem boas chances de conquistar o hexa neste ano, mas lamenta a ausência de trio gremista na lista. “Estou muito confiante. Gosto demais do Tite. Acho que a briga vai ser com França, Alemanha e Argentina. Sem clubismo, mas acho que Luan e Arthur tinham que estar entre os convocados, até o Marcelo Grohe, pela fase que vive”, completa Rodrigo.

Itália conquista o tri em 1982

Realizado na Espanha, o Mundial de 1982 contou com a participação de 24 seleções pela primeira vez. Na fase classificatória, a Itália garantiu classificação para a etapa seguinte empatando todos os seus três compromissos. A decisão foi disputada pelas tradicionais Itália e Alemanha, em Madrid. De forma surpreendente, os italianos abriram 3 a 0 no placar, administraram a vantagem e só permitiram um tento da Seleção Alemã para comemorar o tricampeonato.

Maradona comanda título argentino em 86
Oito anos após conquistar seu primeiro título mundial, a Argentina voltou a levantar a taça da Copa do Mundo em 1986, no México. Diante da Inglaterra nas quartas de final, Diego Maradona marcou dois gols históricos e classificou seu país. Na semifinal, o craque argentino fez os dois tentos da sua seleção na vitória por 2 a 0 sobre a Bélgica. Na final, contra a Alemanha, a Argentina venceu por 3 a 2, dessa vez sem gol de Maradona, eleito o melhor jogador daquela Copa.

Curiosidades:
A maior goleada da história das Copas foi registrada em 1982, na Espanha. Na primeira fase, a Hungria não teve piedade de El Salvador e aplicou incríveis 10 a 1. O segundo placar mais elástico dos mundiais também é húngaro: 9 a 0 sobre a Coréia do Sul em 1954. A Iugoslávia também fez 9 a 0, sobre a seleção de Zaire, no ano de 1974.

Os dois gols do craque Maradona sobre a Inglaterra em 1986 ficaram para a história. O primeiro foi marcado com a mão e apelidado de “la mano de Dios”. Pouco tempo depois, Maradona driblou seis jogadores ingleses e o goleiro Peter Shilton para marcar um gol espetacular.

Deixe seu comentário