Últimas campeãs mundiais, as sempre perigosas Alemanha e Espanha chegam renovadas e fortalecidas para mais uma Copa do Mundo. Foto: divulgação internet

A Copa do Mundo de 2018 promete ser uma das mais equilibradas da história. Na Rússia, não existe uma Seleção amplamente favorita, mas sim vários países candidatos ao título. Craques como Cristiano Ronaldo, Messi e Salah chegam ao Mundial em grande momento. Mas, afinal, quais são as maiores ameaças ao hexa brasileiro na Copa deste ano?

Atual campeã mundial, a Alemanha teve mudanças significativas de 2014 para cá, mas não perdeu sua qualidade. Os experientes Lahm, Schweinsteiger e Klose deixaram a Seleção, mas jogadores como Kimmich, Draxler, Sané e Timo Werner renovaram a safra dos tetracampeões. Como a Alemanha está no grupo F, ao lado de Suécia, México e Coréia do Sul, pode ser adversária do Brasil (grupo E) logo nas oitavas de final.

Outra seleção que conquistou o Mundial recentemente e entra como uma das candidatas ao título na Rússia é a Espanha, campeã em 2010. Em março, a “fúria”, como é chamada, goleou a Argentina por 6 a 1 em um amistoso e mostrou suas credenciais para a Copa.

Depois de ser eliminada na fase de grupos no Mundial de 2014, a Seleção Espanhola mudou a comissão técnica para chegar nas fases decisivas neste ano.

Recheada de expectativas, a geração belga também chega forte no Mundial, comandada por De Bruyne e Hazard.

Com um ataque poderoso, formado por Griezmann, Mbappé e Dembélé, a França é outra candidata ao título na Rússia.

Sem conjuntos tão fortes, Argentina e Portugal apostam nos craques Messi e Cristiano Ronaldo, respectivamente, para brigar pelo caneco em 2018.

Em 1966, Inglaterra conquista título em sua casa
Em uma Copa com grandes jogadores da história do futebol, como o português Eusébio, o inglês Bobby Charlton e o alemão Franz Beckenbauer, a Inglaterra conquistou seu primeiro e único título mundial. Na final, os ingleses enfrentaram a poderosa Alemanha Ocidental. Com cerca de 98 mil pessoas no estádio de Wembley, os alemães saíram na frente, a Inglaterra virou, mas permitiu o empate no apagar das luzes.

Na prorrogação, Geoff Hurst, autor do primeiro gol inglês, marcou mais duas vezes e deu o título inédito para os donos da casa: 4 a 2.

Brasil goleia a Itália e se torna tricampeão
Sediada no México, a Copa do Mundo de 1970 marcou o terceiro título da Seleção Brasileira. A final foi disputada no estádio Azteca – para um público superior a 107 mil pessoas – por dois países bicampeões do torneio até então: Brasil e Itália. Em uma bela apresentação, a equipe do técnico Zagallo balançou as redes com Pelé, Gérson, Jairzinho e Carlos Alberto, goleou os italianos por 4 a 1 e comemorou o tricampeonato mundial.

Curiosidades:
Geoff Hurst, herói da Inglaterra na final do Mundial de 1966, tornou-se o primeiro jogador da história a marcar três gols em uma final de Copa do Mundo.

Um dos destaques da campanha do terceiro título mundial do Brasil, Jairzinho anotou pelo menos um gol em cada um dos seis jogos da Seleção Brasileira no torneio (fez dois gols na estreia, contra a Tchecoslováquia). Apesar disso, não foi o artilheiro da competição. O alemão Gerd Müller marcou dez gols e ficou com o prêmio.

Deixe seu comentário