Como Igreja, neste dia 1º do ano, celebramos Maria, Mãe de Deus. E também celebramos o dia mundial da paz. Todo ano, o Papa, por ocasião desta data, escreve uma carta sobre este tema. O tema escolhido pelo Pontífice para o ano 2018 é: “Migrantes e Refugiados: homens e mulheres em busca da paz”.
A paz, que os anjos anunciaram aos pastores na noite de Natal, recorda o Papa,“é uma aspiração profunda de todas as pessoas e de todos os povos, sobretudo de quantos padecem mais duramente pela sua falta. Dentre estes, que trago presente nos meus pensamentos e na minha oração, quero recordar de novo os mais de 250 milhões de migrantes no mundo, dos quais 22 milhões e meio são refugiados. Estes últimos, como afirmou o meu amado predecessor Bento XVI, ‘são homens e mulheres, crianças, jovens e idosos que procuram um lugar onde viver em paz’. E, para o encontrar, muitos deles estão prontos a arriscar a vida numa viagem que se revela, em grande parte dos casos, longa e perigosa, a sujeitar-se a fadigas e sofrimentos, a enfrentar arames farpados e muros erguidos para os manter longe da meta”.
Daí que, com espírito de misericórdia, acrescenta Francisco, abraçamos todos aqueles que fogem da guerra e da fome ou se vêem constrangidos a deixar a própria terra por causa de discriminações, perseguições, pobreza e degradação ambiental.
Entretanto, sublinha ainda o Santo Padre, estamos cientes de que não basta abrir os nossos corações ao sofrimento dos outros. Há muito que fazer antes de os nossos irmãos e irmãs poderem voltar a viver em paz numa casa segura. Acolher o outro requer um compromisso concreto, uma corrente de apoios e beneficência, uma atenção vigilante e abrangente, a gestão responsável de novas situações complexas que às vezes se vêm juntar a outros problemas já existentes em grande número, bem como recursos que são sempre limitados.
O Santo Padre dirige a todos na sua mensagem uma pergunta intrigante: por que há tantos refugiados e migrantes no nosso mundo atual?
Nas sendas de São João Paulo II, que na sua mensagem de paz do ano 2000 incluía o número crescente de refugiados entre os efeitos de “uma sequência infinda e horrenda de guerras, conflitos, genocídios, “limpezas étnicas”que caracterizaram o século XX, Francisco sublinha que até agora, infelizmente, o novo século não registrou uma verdadeira viragem: os conflitos armados e as outras formas de violência organizada continuam a provocar deslocações de populações no interior das fronteiras nacionais e para além delas.
Papa Francisco está ciente do fato de a migração ser um fenômeno permanente da história: todos os elementos à disposição da comunidade internacional, disse, indicam que as migrações globais continuarão a marcar o nosso futuro. Alguns consideram-nas uma ameaça. Eu, pelo contrário, convido-vos a vê-las com um olhar repleto de confiança, como oportunidade para construir um futuro de paz, acrescenta o papa.
Desejamos a todos os paroquianos e leitores votos de um Feliz Ano Novo, a bênção e a paz de Deus Pai e do Cristo, Príncipe da Paz, com o dom do Espírito Santo e a proteção de Maria, mãe de Deus!
Pe. Diego Knecht – pároco

 

Programação
29.12.2017 –Sexta-feira
18h- Programa da Ave-Maria na Rádio América; 18h30 – Missa Catedral;
30.12.2017- Sábado
17h- Missa na Catedral; 18h-Programa da Ave-Maria na Rádio América;
31.12.2017- Domingo
Festa da Sagrada Família; 07h- Missana Catedral; 09h- Missana Catedral; 19h-Missana Catedral; 01.01.2018 – Segunda-feira; Confraternização Universal; 18h-Programa da Ave-Maria na Rádio América; 19h- Missa de Ano Novo na Catedral
02.01.2018 – Terça-feira
18h- Programa da Ave-Maria na Rádio América; 18h30 – Missa na Catedral
03.01.2018-Quarta-feira
18h- Programa da Ave-Maria na Rádio América; 18h30- Missa na Catedral; 19h30 – Benção do Santíssimo na Catedral; 20h- Encontro de Oração da R.C.C.na Catedral
04.01.2018– Quinta-feira
18h- Programa da Ave-Maria na Rádio América; 18h30- Missa na Catedral

Deixe seu comentário