A liturgia do 2º Domingo do Tempo Comum propõe-nos uma reflexão sobre a disponibilidade para acolher os desafios de Deus e para seguir Jesus.
A primeira leitura (1Sm 3,3b-10.19) apresenta-nos a história do chamamento de Samuel. O autor desta reflexão deixa claro que o chamamento é sempre uma iniciativa de Deus, o qual vem ao encontro do homem e chama-o pelo nome. Ao homem é pedido que se coloque numa atitude de total disponibilidade para escutar a voz e os desafios de Deus.
O Evangelho (Jo 1,35-42) descreve o encontro de Jesus com os seus primeiros discípulos. Quem é “discípulo” de Jesus? Quem pode integrar a comunidade de Jesus? Na perspectiva de João, o discípulo é aquele que é capaz de reconhecer no Cristo que passa o Messias libertador, que está disponível para seguir Jesus no caminho do amor e da entrega, que aceita o convite de Jesus para entrar na sua casa e para viver em comunhão com Ele, que é capaz de testemunhar Jesus e de anunciá-l’O aos outros irmãos.
O Evangelho deste domingo diz-nos, antes de mais, o que é ser cristão… A identidade cristã não está na simples pertença jurídica a uma instituição chamada “Igreja”, nem na recepção de determinados sacramentos, nem na militância em certos movimentos eclesiais, nem na observância de certas regras de comportamento dito “cristão”… O cristão é, simplesmente, aquele que acolheu o chamamento de Deus para seguir Jesus Cristo.
O que é, em concreto, seguir Jesus? É ver n’Ele o Messias libertador com uma proposta de vida verdadeira e eterna, aceitar tornar-se seu discípulo, segui-l’O no caminho do amor, da entrega, da doação da vida, aceitar o desafio de entrar na sua casa e de viver em comunhão com Ele.
A história da vocação de André e do outro discípulo (despertos por João Batista para a presença do Messias) mostra a importância do papel dos irmãos da nossa comunidade na nossa própria descoberta de Jesus. A comunidade ajuda-nos a tomar consciência desse Jesus que passa e aponta-nos o caminho do seguimento. Os desafios de Deus ecoam, tantas vezes, na nossa vida através dos irmãos que nos rodeiam, das suas indicações, da partilha que eles fazem conosco e que dispõe o nosso coração para reconhecer Jesus e para O seguir. É na escuta dos nossos irmãos que encontramos, tantas vezes, as propostas que o próprio Deus nos apresenta.
O encontro com Jesus nunca é um caminho fechado, pessoal e sem consequências comunitárias… Mas é um caminho que tem de me levar ao encontro dos irmãos e que deve tornar-se, em qualquer tempo e em qualquer circunstância, anúncio e testemunho.
Pe. Diego Knecht – pároco
PROGRAMAÇÃO
12.01.2018 – Sexta-feira
18h30 – Missa na Catedral
13.01.2018- Sábado
15h30- Missa na Comunidade Espírito Santo
17h- Missa na Catedral
17h30- Missa na Comunidade Na.Sra. Aparecida
19h- Missa na Comunidade Santo Alberto Magno
19h- Missa na Comunidade São José do Maratá
14.01.2018- Domingo
07h- Missa na Catedral
08h30- Missa na Comunidade de Santos Reis
09h- Missa na Catedral com batizados
10h- Missa na Comunidade Na.Sra. Perpétuo Socorro
19h- Missa na Catedral
16.01.2018 – Terça-feira
18h30 – Missa na Catedral com benção da saúde
17.01.2018- Quarta-feira
18h30- Missa na Catedral
20h- Missa na Catedral
18.01.2018– Quinta-feira
18h30- Missa na Catedral
20h- 1ª Noite do Tríduo na Comunidade Na.Sra. dos Navegantes Celebrante: Pe. Pedro Nicolau Schneider

Deixe seu comentário