Neste ano temos umas férias diferentes. Primeiro o mês de janeiro foi metade chuvoso e outra metade friozinho.
O mês de fevereiro está muito quente, porém mesmo no início já começa a despedida. Antes da metade do mês basicamente as férias acabam devido ao Carnaval. Após o Carnaval é sinal de que as férias tiveram seu fim prematuro.
Reiniciam as aulas, começa a função desmonta o circo. O comércio e hotelarias dos balneários se ressentem, devido aos poucos negócios feitos.
Por outro lado, agora inicia o ano. Os políticos retornam ao trabalho, as notícias políticas ganham maior ênfase, os meios de comunicação se esmeram em elevar os picos de audiência com os escândalos sobre corrupção infindáveis.
Geralmente, a história confirma, nesta época são lançados vários pacotes, leis, surpresas desagradáveis que temos que assimilar forçosamente, pois, foram lançados enquanto o povo estava de folia pulando o Carnaval.
Porém, nesta semana, talvez por ser Carnaval, tempo de folias e alienação estão sendo votados vários aspectos importantes: por exemplo, a lei do foro privilegiado para políticos, lei do aborto e do uso de armas de fogo, pelo STF.
O povo brasileiro em sua maioria é alegre, gentil, bonito, hospitaleiro, porém, quando lhe é tirado direitos mostra-se apático, como que se a conquista por uma vida mais digna e justa não fosse seu direito.
Nenhum país sério permitiria que seu povo sofresse o descaso de nossos governantes. E, o pior, lhe fossem tirados direitos e usurparem tanto dinheiro que não dá para contar. Isto feito de forma sistêmica e em todos os partidos. De certa forma, os partidos são convidados a dividir a bolada e com isto divide a responsabilidade e a culpabilidade. Ou seja, no bom português, todos de rabo preso se protegem.
Portanto, os que desejarem e apreciarem se divertir no Carnaval estiquem um olho para o que nos rodeia, nossa realidade é vergonhosa e gera insegurança.
Falando em insegurança, o que mais se fala é em distribuição de preservativos, teste de AIDS gratuito, evitar cenas de racismo usando peruca de cabeleira negra e fantasia que insinue desrespeito ao negro. O Carnaval está deturpado e virou apologia ao sexo.
Minha pergunta, onde ficaram as marchinhas cantadas, os blocos carnavalescos de amigos, quando se dizia: vamos pular o Carnaval? Assim eram as noites entre suor e alegria até o amanhecer.

Compartilhar

Deixe seu comentário