Neste universo do psiquismo humano, muitas coisas são reais. Outras, no entanto, estão tomadas de simbolismo. Especialmente as relações. Entre estas, a figura da mãe. Para cada ser, um significado, uma lembrança, emoções. Do amor à falta, do desprezo ao cuidado, cada um carrega em si, o símbolo materno.
Existe mãe presente. Há mãe que nunca esteve ali… Tem aquela que, mesmo estando ali, nunca se fez perceber e aquela que já … A que fez de tudo para ser notada, mas nunca recebeu um pingo de atenção… A que por não receber atenção recolheu-se em tristeza… Mas tem a que, pelo mesmo motivo, resolveu investir mais e mais a ponto de ser rotulada de chata… Tem a que chora de tanta alegria e a que sofre calada. A que abraça, aperta e te cobre de beijos e a que vive esperando que você ligue para ela. Tem mãe doce, mãe azeda, e a que faz o melhor feijão.Tem a que faz a gente passar vergonha e aquela que nunca, ninguém, viu dar um sorriso. A que a gente morre de saudade e a que a gente nem faz questão de lembrar…Tem quem escolheu ser mãe de gato, cachorro, papagaio… Tem mãe que (originalmente) era tia, madrinha ou vó… Tem até pai que, “na marra” ou “de boa”, virou mãe… Tem aquela que te escolheu como filho mesmo você sendo filho de outra mãe…
Então, seja lá, qual for o “tipo” que combina com a sua, uma coisa é certa: neste dia das mães, mesmo que você não queira, algo te fará lembrar dela.
Deixo aqui, nestas poucas e belas palavras do genial poeta, minha singela homenagem a todas as mães:

MÃE…
São três letras apenas,
As desse nome bendito:
Três letrinhas, nada mais…
E nelas cabe o infinito
E palavra tão pequena-confessam mesmo os ateus-
És do tamanho do céu
E apenas menor do que Deus!
(Mário Quintana)
Um Feliz dia das mães !!!
Paz e bem !!!

Deixe seu comentário