CAPÍTULO 1
Ando pela rua.
Há um buraco fundo na calçada.
Eu caio.
Estou perdido… Sem esperança.
Não é culpa minha.
Leva uma eternidade para encontrar a saída.

CAPÍTULO 2
Ando pela mesma rua.
Há um buraco fundo na calçada.
Finjo não vê-lo.
Não posso acreditar que estou no mesmo lugar.
Não é culpa minha.
Ainda assim, leva um tempão para sair.

CAPÍTULO 3
Ando pela mesma rua.
Há um buraco fundo na calçada.
Vejo que ele está alí.
Ainda assim eu caio … É um hábito.
Meus olhos se abrem.
Sei onde estou.
É minha culpa.
Saio imediatamente.

CAPÍTULO 4
Ando pela mesma rua.
Há um buraco fundo na calçada
Dou a volta.

CAPÍTULO 5
Ando por outra rua.
Hoje, compartilhei este interessante texto intitulado “O buraco”, do livro: “O Livro Tibetano do Viver e do Morrer”de Sogyal Rinpoche. Em breve, voltaremos a falar sobre ele.

Paz e bem !

Deixe seu comentário