Hoje é mais um Dia Daqueles que Devem Ser Presenteados. O comércio pira. Ou melhor, conspira. Quem de fato enlouquece são os pobres mortais que, na ânsia por evitar serem chamados de insensíveis, caem na armadilha de comprar “alguma lembrancinha” nessas datas que estampam vitrines. Mas não é qualquer data que merece esse destaque. Ela precisa transformar parte da população em “presenteadores”. Por isso o Dia dos Solteiros não atrai o comércio. Se os solteiros devessem receber presentes nessa data, quem iria presenteá-los? Eles mesmos? O lado bom é que não resultariam em trocas de mercadoria depois. Observando o mérito da questão, ser solteiro não é bem a consequência de um esforço social, a menos que você seja uma personagem de música sertaneja universitária, que foge de pretendentes a canção toda. A maioria dos avulsos, ou não estão à procura de alguém, ou estão e não encontram. Em ambos os casos, não são exatamente dignos de premiação.
E olha que a data dos solteiros realmente existe, no dia 15 de agosto. Ironicamente, ela faz divisa com o Dia do Cardiologista (14) e o Dia do Filósofo (16). Até no calendário os solteiros estão cercados de paixões pulsantes e amores platônicos. Agora, para aqueles que não gostam de terem sua solidão ganhando destaque na sociedade hoje, vão algumas dicas de como passar despercebido.
Não vá ao restaurante. Até a menor das mesas é para duas pessoas. Assim, mostrará que está só, além de atrair os olhares famintos dos casais na fila, desejando que você engula logo a comida e vá embora, para desocupar o lugar, e sem sobremesa.
Se perguntarem se é pra presente, confirme. Sempre tem algum vendedor metido a vidente, relacionando o objeto comprado com a data. O embrulho é cortesia, e assim você poderá considerar como seu presente de Dia dos Solteiros, antecipado dois meses. Não esqueça a cara de surpresa ao abrir, afinal, é exatamente o que queria.
Não vá ao cinema. Estará cheio de casaizinhos. Mesmo que o número de poltronas seja ímpar, deixe esse filme para outro dia. Se for sozinho, não estará apenas segurando a vela, será um farol inteiro chamando a atenção para si.
Peça uma pizza maior. Apesar de o tamanho médio ser suficiente, peça uma grande. E duas latinhas, ou duas cervejas; no mínimo um litrão de refri. Se quiser arriscar um pouco mais na encenação, peça metade de um sabor e, na outra metade, consulte o celular antes de falar, tipo: – Vou querer metade calabresa e a outra metade… Esqueci; deixe-me ver aqui no whats… Marguerita!
Passe longe das floriculturas. Elas podem te deprimir.

Deixe seu comentário