“O Plano Imperfeito” estreia na Netflix dia 14 de junho sem pretensões de surpreender ninguém

Nova Iorque é a capital mundial dos grandes empreendimentos, e alguns dos CEOs mais influentes do mundo têm seus escritórios em Manhattan. É nessa Meca do capitalismo que se passa a mais nova comédia romântica original Netflix, “O Plano Imperfeito”, que estreia no dia 15 de junho. A trama gira em torno de dois assistentes administrativos, Harper (Zoey Deutch) e Charlie (Glen Powell) que estão cansados de aturar seus chefes e a rotina incessante de trabalho. Juntos, bolam um plano de unir os patrões em um relacionamento amoroso e tornar a vida dos quatro mais agradável.

Com isso, a majestosa Nova Iorque vira palco dessa operação e os agressivos Rick (Taye Diggs) e Kristen (Lucy Liu) começam a se dar bem. Cada assistente sabe todas as nuances da rotina de seu chefe e parece impossível que o plano dê errado. Tudo começa perfeitamente. Em meio ao namoro, os patrões passam a sair mais cedo do trabalho, organizar festas, e a pressão sobre Charlie e Harper diminui consideravelmente. Tudo corre bem até que, como em todo o relacionamento, o casal recém-formado entra em atrito e os assistentes voltam à rotina infernal. Mas, ao longo de todo o plano, os dois jovens se aproximam de uma forma “inesperada”, típica de uma clássica comédia romântica.

“O Plano Imperfeito” chega à Netflix sabendo claramente onde se encaixar: previsível e não muito criativo, segue muito bem o “manual” das comédias românticas. A produção vai entrar no catálogo da plataforma como um filme leve e divertido, sem grandes pretensões para quem não quer ver nada muito empolgante. Apesar de não ser um candidato forte a blockbuster, não há quem não tenha sido “vítima” desse tipo de filme e, certamente, a maioria das pessoas assistirá a diversas produções do gênero ao longo da vida. A Netflix aposta que essa será uma dessas opções.

Mediação do terror
Chega ao catálogo da Netflix, no dia 15 de junho, o filme “Beirut”, repleto de violência, suspense e espionagem

No dia 15 de junho, estreia na Netflix a produção original “Beirut”. No longa-metragem, John Hamm (de “Mad Men”) dá vida ao protagonista Mason Francis Skiles, um dos melhores diplomatas dos Estados Unidos, que deixa o Líbano na década de 1970 devido à morte de sua esposa, assassinada por terroristas. O filme é um suspense que tem como pano de fundo o conflito civil no Líbano, com origem nos desentendimentos entre os diferentes grupos sociais existentes no país, dentre eles cristãos, mulçumanos e drusos.

A trama se desenrola com a convocação de Skiles, agora um homem amargurado e alcoólatra, pela CIA para que fosse à Beirute. Ao voltar para a capital libanesa, se depara com um cenário muito diferente daquele que deixou nos anos 70. A antiga “Paris do Oriente Médio”, repleta de hotéis luxuosos, agora está arrasada pela guerra civil. Apesar das forças do governo americano não acreditarem mais nas suas habilidades de mediação, Skiles é especificamente convocado pelo líder de um grupo rebelde e violento de palestinos, chamado de Missão de Libertação Islâmica, para negociar a troca de um refém. A vítima é Cal, um antigo amigo do ex-diplomata que atua como chefe de operações norte-americanas no Oriente Médio.

Os rebeldes querem que Skiles encontre o irmão do líder do grupo, Rafid Abu Rajal, para libertarem Cal. O terrorista, porém, é responsável por 46 mortes em um vôo para Madri e está tão bem escondido que nem seus aliados conseguem encontrá-lo. Cabe a Skiles salvar seu amigo e garantir que retorne antes que ele comece a falar e comprometa todo o serviço de inteligência norte-americano na região. O roteiro é assinado por Tony Giltory, o mesmo de “Rogue One: Uma História Star Wars”, e dirigido por Brad Anderson.

Agora é que são elas
“Quatro Histórias de Desejo”, novo filme da Netflix, explora histórias de amor na Índia moderna através da perspectiva feminina

A Índia é um dos países mais populosos e com mais desigualdade social do mundo. Nessa sociedade dividida em castas, assuntos como amor e outros sentimentos carnais são vistos como tabu, já que os casamentos até hoje são arranjados pelas famílias de mesmo segmento social. Cinco anos após o lançamento de “Bombay Talkies”, que celebra os 100 anos de Bollywood – região de Mumbai que concentra as produtoras de cinema indianas – , os diretores Anurag Kashyap, Zoya Akhtar, Karan Johar e Dibakar Banerjee se reúnem para o novo filme da Netflix, “Quatro Histórias de Desejo”, que estreia dia 15 de junho. A coletânea pretende fazer uso da visibilidade fornecida pela plataforma para contar, de forma realista, narrativas sobre a luxúria e o amor através da perspectiva feminina sobre os relacionamentos modernos.

Trata-se de uma coletânea de quatro histórias sobre mulheres de diferentes castas que tentam encontrar uma filosofia de vida própria. Sob direção de Karan Johar, os atores Vicky Kaushal e Kiara Advani interpretam um jovem casal urbano com dificuldades para aceitar a vida de recém-casados. Apesar de todo evento ser um arranjo de sua família, a personagem de Kiara busca se libertar do conservadorismo em que vive e encontrar seu próprio espaço na relação.

Na segunda história, o diretor Dibakar Banerjee se une aos atores Sanjay Kapoor, Manisha Koirala e Jaideep Ahlawat para retratar, de forma mais adulta, o clássico triângulo amoroso entre um casal e seu melhor amigo. Sem saber da traição, o marido continua confidenciando ao amigo infiel suas preocupações com o casamento, o que dá um certo ar tragicômico à trama.

A terceira parte é de direção de Zoya Akhtar, que escapa das questões provenientes das classes mais ricas para explorar o sistema de castas e o que ele representa na sociedade indiana. Sudha (Bhumi Pednekar) é uma empregada apaixonada pelo irmão mais novo de seu empregador, Ajit (Neil Bhoopalam). Ao descobrir que ele está com o casamento marcado, Sudha começa a questionar sua posição, que sempre será um empecilho para sua vida amorosa.

Por fim, a história de Anurag Kashyap conta com Radhika Apte para retratar uma professora cínica que acaba em um relacionamento conturbado com um de seus alunos, apesar de casada. “Quatro Histórias de Desejo” é a terceira produção indiana da Netflix e já conta com quatro dos mais promissores diretores cinematográficos do país, o que comprova a crescente influência da plataforma de streaming norte-americana ao redor do mundo.

 

Compartilhar

Deixe seu comentário