Jamais, por mais que nos esforcemos, iremos satisfazer e sermos vistos como queremos por todos em nossa volta. Neste mundo conturbado e dinâmico, os relacionamentos estão mais difíceis, seja nas amizades, no amor, na família, etc. Acredito que cada pessoa tem sua maneira única de ser, sua crença, seus sonhos, sua visão de mundo. O mais importante é olhar para cada um e respeitar a sua individualidade.
Nós escolhemos com quem teremos contato mais íntimo, aquela pessoa ou pessoas que vão fazer parte de nossa vida. Estas precisam ser vistas em suas essências e devemos, com elas, ter mais respeito. Não devemos tirar conclusões precipitadas de sua atitudes. Procurar compreendê-las, respeitar o espaço delas. As brincadeiras, apelidos, devem somente ser usados com a permissão delas, nossa amizade tem que ser cultivada. Não existem pessoas chatas, teimosas, falsas quando nos relacionamos com aquelas que nos fazem bem.
A solidão, algo constante na nossa era, muitas vezes leva a relacionamentos não produtivos, não satisfatórios. São, quase sempre, uma forma egoísta, servem somente para nos fazer mal, não acrescentam nada em nossa vida, são vazios. Certa vez, ouvi isto de uma amiga: “escolhemos com quem vamos viver, mas não podemos escolher a quem vamos amar.” Muitas vezes, os interesses, seja econômicos, segurança ou qualquer outro unem as pessoas e elas tentam buscar a felicidade. Quase sempre não conseguem. Vêm frustrações, arrependimentos. Nem sempre as regras sociais dos relacionamentos devem ser seguidas à risca. O importante é, de tempo em tempo, fazermos um balanço das coisas que estamos vivendo e das que vivemos até ali, ver se somos felizes, se estamos satisfeitos com nós mesmos e com nossa parceria amorosa, amizades, emprego, etc…
A vida sempre nos proporciona e irá proporcionar, enquanto houver um coração batendo, recomeços, oportunidades, sonhos a serem realizados. Acredito que a idade que em nós avança não nos leva para o final e, sim, para a sabedoria, para a consciência da importância de estarmos vivos. O crescimento como pessoa deve ser um busca constante em nós. Os bens materiais perdem a importância com o tempo, após serem sonhados e conquistados, mas uma vida feliz, com a busca de sonhos, o amor, estes ficam conosco o tempo todo, são os motores de nossa existência. Você está feliz, você quer ser feliz?

Deixe seu comentário