Jesus e seus discípulos têm visões diferentes sobre o Ministério Evangelístico. Do ponto de vista dos discípulos, Tiago e João, estar junto no ministério com Jesus significa ganhar ou ter um lugar de honra e destaque. Para eles o Ministério Evangelístico seria uma forma de merecer e conseguir glorias e destaques pessoais. (Umà sua direita e outro a sua esquerda). Essa é uma ideia que está muito presente na maioria das pessoas que se envolvem em serviços sociais. Tirar vantagem e se destacar em meio a sociedade as custas da vulnerabilidade social.
Já em contraposto, Jesus tem uma visão totalmente diferente do seu Ministério. Para Ele o Ministério é um meio de servir as pessoas. Para Jesus o Ministério não é uma forma de promoção pessoal, nem um meio de acumular méritos próprios ganhar destaques. Ao contrário, para JESUS é uma boa e bonita forma de servir as pessoas dentro de suas necessidades. Assim, Ele, por meio de seu Ministério, serve as pessoas de múltiplas formas: serve com perdão; serve com partilha do pão; serve com cura; serve com alivio de tormentos; serve com orientação para uma vida digna; serve com ensino; serve com graça, com amor e misericórdia; serve com salvação….
Neste sentido, somos desafiados neste tempo de quaresma a pensarmos em como nós servimos as pessoas com nossos dons e talentos? Será que às vezes também não esperamos uma promoção pessoal ou um destaque, como Tiago e João? Jesus se coloca como servo sofredor. Além de servir as pessoas em suas necessidades físicas Ele também carrega a cruz das pessoas e entrega sua vida em dedicação a vida do pecador, dando-lhe oportunidade de uma vida digna, uma vida nova, de paz e felicidades eternas.
Eu me faço essa pergunta seguidamente: será que servimos bem as pessoas com os nossos dons? O que servimos a elas? Nos tempos atuais as pessoas anseiam por justiça, paz, amor, igualdade, vida digna e muitos outros valores que lhes são negados. Cabe a nós, cristãos e cristãs, seguidores de Jesus olhar a nossa volta e servir naquilo que somos capazes. Sem esperar glorias e louvores a nós mesmos, mas pelo exemplo que nosso Senhor Jesus nos deixou.
Thiago Pagung Lauvers – Estudante de Teologia
Avisos:
– Sexta-feira Santa, dia 30 de março, Culto, às 9 horas no Ponto de Pregação do Bairro Santo Antônio, às 15 horas no Ponto de Pregação da Rua Nova e às 19 horas na Igreja da Ressurreição no Centro;
– Domingo de Páscoa, dia 1º de abril, às 9 horas culto com Celebração da Santa Ceia na Igreja da Ressurreição.

Deixe seu comentário