Devido à distância geográfica dos diversos centros de colonização, a falta de comunicação entre eles e a diversidade de entidades eclesiásticas que enviavam pastores, viu-se a necessidade de organizar o atendimento pastoral. Assim, a primeira tentativa de formação de um Sínodo foi feita em 1868, pelo Pastor Borchard (São Leopoldo) que tentou organizar o Sínodo Evangélico Alemão da Província do Rio Grande do Sul, com nove pastores, porém não durou muito. Mais tarde, através do Pastor D. Wilhelm Rotermund (São Leopoldo), foi fundado o Sínodo Riograndense (1886). Em 1897, o Lutherischen Gotteskasten (Associação Luterana Caixa de Deus), da Alemanha, enviou o primeiro pastor para o Brasil, o Pastor Kuhr. Outros pastores do Gotteskasten vieram, assumindo as paróquias de Joinville, Dona Francisca e outras, no Paraná, Santa Catarina e Espírito Santo, onde o trabalho tinha sido iniciado por missionários da Basiléia.
Em 1896, no Estado de Santa Catarina, sob a iniciativa do Pastor Runte, tentou-se fundar um Sínodo, mas o mesmo foi constituído a partir de 1905 (em Blumenau), vindo a surgir o Sínodo Evangélico Alemão de Santa Catarina, Paraná e outros Estados (com trabalhos nos Estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Espírito Santo). O Sínodo Evangélico do Brasil Central foi constituído nos anos de 1912/13, com sede no Rio de Janeiro (onde existia uma comunidade desde 1827) e campos de trabalho nos Estados de São Paulo, Rio, Minas Gerais e Espírito Santo. Em extensão geográfica, foi o maior; em número de comunidades e membros, o menor dos Sínodos.
Outro fato importante na história dos imigrantes foi o início da formação teológica, em 1946, com a fundação da Faculdade de Teologia, em São Leopoldo/RS. Até então, todos os pastores tinham que estudar ou vir da Alemanha. Com o tempo, os Sínodos se uniram, surgindo a Federação Sinodal, que em 26 de outubro de 1949 daria os primeiros passos da origem da IECLB. Mas foi na cidade de São Paulo/SP, a partir do Concílio Eclesiástico Extraordinário, realizado de 23 a 27 de outubro de 1968, que ocorre a completa fusão dos quatro Sínodos do Brasil e surge a nova denominação: Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. Com isso, surge também outra estrutura: a IECLB é dividida em Distritos Eclesiásticos (DE) e Regiões Eclesiásticas (RE). Em 1968, são definidas quatro Regiões Eclesiásticas. Com o tempo, o número aumentou para oito RE, subdivididas em distritos. Na busca por uma estrutura ágil e menos burocrática, o Concílio Extraordinário de 28 de fevereiro a 02 de março de 1997, em Ivoti/RS, aprovou uma nova constituição, recriando Sínodos e extinguindo as regiões e os Distritos Eclesiásticos, criando 18 Sínodos.
O Concilio Extraordinário estava convencido de que esse novo jeito de ser IECLB viria a ajudar ainda mais na missão da Igreja: Jesus Cristo. Essa reestruturação busca uma Igreja com maior participação dos membros, descentralização, economia e agilidade. Evidentemente, simples estruturas não mudam uma Igreja, mas podem ajudar para que ela faça melhor o seu trabalho.
Somos uma Igreja que veio junto com os imigrantes da Alemanha. Precisamos conhecer nossa origem para melhor entender o nosso jeito de ser Igreja, de ser comunidade de Jesus Cristo.
Thiago Pagung Lauvers
Estudante de Teologia

Avisos
– Domingo, dia 18/02, culto com celebração da Santa Ceia: 9h, no Ponto de Pregação do bairro Santo Antônio e, às 20h, na Igreja da Ressurreição.
Estão abertas as inscrições do Ensino Confirmatório para nascidos em 2006. Para se inscrever, devem trazer a Certidão de Batismo.

Deixe seu comentário