Amigos e amigas, na mensagem de hoje quero fazer uma correção ao artigo publicado pelo Ibiá no dia 31 de outubro próximo passado, em que houve um equívoco de interpretação em minhas palavras, com relação a liberdade de consciência do ser humano, propugnada pela Reforma Protestante.
No artigo, literalmente é escrito que eu teria afirmado: “Ele (no caso eu) afirma que a Reforma foi a oportunidade das pessoas desfrutarem do seu livre arbítrio como cristãos, o que não era permitido na época.” Até aqui a transcrição.
Não! De forma alguma afirmei isto. O que disse foi que a Reforma possibilitou liberdade de consciência aos seres humanos. Liberdade de consciência em relação as autoridades estabelecidas no mundo e em relação as suas práticas, hábitos, costumes e tradições meramente humanas.
A questão do Livre Arbítrio do Ser Humano em relação a sua salvação foi um dos temas centrais discutidos por Lutero com muitos teólogos de seu tempo, principalmente com Erasmo de Roterdã. Diferentemente de Erasmo, Lutero afirmava que o ser humano não tinha livre arbítrio no que se refere a Salvação oferecida por Deus.
A seguir transcrevo algumas afirmações de Lutero sobre este tema: “Se existe realmente o ‘livre-arbitrio’, ele não parece ser capaz de ajudar os homens a atingirem a salvação, porquanto os deixa sob a ira de Deus.” “Judeus e gentios constituem a totalidade da humanidade, e todos eles estão debaixo da ira de Deus. Ninguém tem a capacidade de voltar-se para Deus. Deus precisa tomar a iniciativa e revelar-Se a eles.” “Ora, se todos os homens são possuidores de ‘livre-arbitrio’, e todos os homens são culpados e estão condenados, então esse suposto ‘livre-arbitrio’ é impotente para conduzi-lo à fé em Cristo. Por conseguinte, a vontade dos homens, afinal, não é livre.” “Diz Paulo aos Romanos 7.7: ‘…pois não teria eu conhecido a cobiça, se a lei não dissera: Não cobiçarás’. Isto significa que o ‘livre-arbitrio’ nem mesmo reconhece o que o pecado é! Como, pois, poderia chegar a conhecer o que é certo? E, se não sabe reconhecer o que é certo, como poderia esforçar-se por fazer o que é certo?” “Comentando Rm. 3:21-25. Essas palavras são como raios contra a ideia do ‘livre-arbitrio’. Paulo faz distinção entre a justiça conferida por Deus e a justiça que vem mediante a observância da lei. O ‘livre-arbitrio’ só poderia ser uma realidade se o homem pudesse ser salvo mediante a observância da lei.” (citações do Livro: LUTERO, Martinho. Nascido Escravo, 2ª Ed.. São Paulo: FIEL, 2007.)
Como vemos, Lutero e a Reforma não defendeu o livre arbítrio do ser humano no que se refere a sua salvação como graça de Deus.
P. Cleber Fontinele Lima

Programação da Semana
– 08.11: quarta: 19h Ensaio da Confirmação;
– 09.11: quinta: 19h Diálogo pré-batismal com pais, mães, padrinhos e madrinhas; 19:30h Ensaio do Coral;
– 10.11: sexta: 19h Encontro de família na Residência de Ênio Kussler, Rua Osvaldo Aranha, 3121;
– 11.11: sábado: 15:30h JEMON; 17h Culto no Santo Antônio; 19:30h Bênção Matrimonial;
– 12.11: domingo: 9h Culto no centro com Batismo e Bênção às crianças;
– 14.11: Terça: 15h OASE centro.

Deixe seu comentário