Luciane Tonietto Seibel observa a importância em ler o rótulo

Você chega ao supermercado, caminha pelos corredores com a listinha de compras na mão. Para, pega aquele pacote de bolacha, de massa, um achocolatado, ou qualquer outro produto. Inclusive aqueles mais conhecidos como “besteiras”, mas que boa parte da população não abre mão.

Saber o que está comendo, porém, vai mais além do que olhar o nome do produto ou reconhecer a embalagem que já tem lugar cativo no seu carrinho. “É muito importante ler o rótulo”, observa a nutricionista da prefeitura, Luciane Tonietto Seibel. Um indicativo de que o produto é ultraprocessado, ou seja, sofreu mais a ação da indústria, é a existência de mais de cinco ingredientes. E a atenção do consumidor deve ser ainda maior se não os conhecer. Luciane observa que a preferência deve ser sempre por produtos innatura ou menos industrializados.

Durante a Feira de Educação e Saúde, realizada nesta semana, o estímulo à alimentação saudável foi uma das ações promovidas na Praça Rui Barbosa. E a leitura do rótulo nas embalagens ajuda a escolher produtos que sejam melhores para a nossa saúde ou, pelo menos, não tão prejudiciais.

A estagiária de nutrição na Vigilância em Saúde, Elusa Maccena da Silva, chamou atenção para o uso de temperos industrializados que já vem junto com o produto, devido à quantidade de sódio. Na leitura do rótulo Elusa esclarece sobre a importância de o consumidor estar atento à porção a qual se refere nas informações disponíveis na embalagem.

Desta forma, se o pacote é de 200 gramas, por exemplo, mas a porção é de 25 gramas, é preciso estar consciente que a quantidade de calorias, gorduras e outros elementos não se referem a todo o conteúdo da embalagem. Ela lembra que, ao darem um pacote de salgadinho para o seu filho, por exemplo, dificilmente a criança irá se contentar com uma porção. Pelo contrário, o mais provável é que coma até a “besteira” acabar.

itens da tabela de Informação Nutricional nos rótulos

Valor Energético – É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem nutricional o valor energético é expresso em forma de quilocalorias (kcal) e quilojoules (kJ). Obs: Quilojoules (kJ) é outra forma de medir o valor energético dos alimentos, sendo que 1 kcal equivale a 4,2 kJ.

Carboidratos – São os componentes dos alimentos cuja principal função é fornecer a energia para as células do corpo, principalmente do cérebro. São encontrados em maior quantidade em massas, arroz, açúcar, mel, pães, farinhas, tubérculos (como batata, mandioca e inhame) e doces em geral.

Proteínas – São componentes dos alimentos necessários para construção e manutenção dos nossos órgãos, tecidos e células. Encontramos nas carnes, ovos, leites e derivados, e nas leguminosas (feijões, soja e ervilha)

Gorduras totais – As gorduras são as principais fontes de energia do corpo e ajudam na absorção das vitaminas A, D, E e K. As gorduras totais referem-se à soma de todos os tipos de gorduras encontradas em um alimento, tanto de origem animal quanto de origem vegetal.

Gorduras saturadas – Tipo de gordura presente em alimentos de origem animal. São exemplos: carnes, toucinho, pele de frango, queijos, leite integral, manteiga, requeijão, iogurte. O consumo desse tipo de gordura deve ser moderado porque, quando consumido em grandes quantidades, pode aumentar o risco de desenvolvimento de doenças do coração.

Gorduras Trans ou Ácidos Graxos Trans – Tipo de gordura encontrada em grandes quantidades em alimentos industrializados como as margarinas, cremes vegetais, biscoitos, sorvetes, snacks (salgadinhos prontos), produtos de panificação, alimentos fritos e lanches salgados que utilizam as gorduras vegetais hidrogenadas na sua preparação. O consumo desse tipo de gordura deve ser muito reduzido, considerando que o nosso organismo não necessita desse tipo de gordura e ainda porque, quando consumido em grandes quantidades, pode aumentar o risco de desenvolvimento de doenças do coração. Não se deve consumir mais que 2 gramas de gordura trans por dia. Obs: O nome trans é devido ao tipo de ligações químicas que esse tipo de gordura apresenta.

Fibra alimentar – Está presente em diversos tipos de alimentos de origem vegetal, como frutas, hortaliças, feijões e alimentos integrais. A ingestão de fibras auxilia no funcionamento do intestino.

Sódio – Está presente no sal de cozinha e alimentos industrializados (salgadinhos de pacote, molhos prontos, embutidos, produtos enlatados com salmoura) devendo ser consumido com moderação uma vez que o seu consumo excessivo pode levar ao aumento da pressão arterial.

Fonte: Manual de orientação aos consumidores sobre educação para o consumo saudável. O material completo está disponível em seu site www.anvisa.gov.br, acessando no item “alimentos”.

Saiba Mais
No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é o órgão responsável pela regulação da rotulagem de alimentos que estabelece as informações que um rótulo deve conter, visando à garantia de qualidade do produto e à saúde do consumidor. Dados levantados junto à população que consulta o serviço Disque-Saúde do Ministério da Saúde demonstram que aproximadamente 70% das pessoas consultam os rótulos dos alimentos no momento da compra, no entanto, mais da metade não compreende adequadamente o significado das informações.

Em seu manual de orientação aos consumidores, a Anvisa alerta para a importância de saber o “%VD”, que se refere ao percentual de Valores Diários, número que indica o quanto o produto apresenta de energia e nutrientes em relação a uma dieta de 2 mil calorias. Para ter uma alimentação mais saudável, o órgão esclarece que é preciso dar preferência a produtos com baixo %VD para gorduras saturadas, gorduras trans e sódio; e a produtos com alto %VD para as fibras alimentares.

Compartilhar

Deixe seu comentário